Manchete nos Jornais deste Domingo, 18 de Julho de 2021

Novos hábitos de consumo mudam foco das empresas
Mudanças vão além da presença no ecommerce e envolvem de responsabilidade social a repensar tempo do consumidor. Líderes de grandes companhias dizem à Folha que as mudanças nos hábitos dos consumidores com a Covid devem nortear a estratégia quando a pandemia passar. Foco na oferta digital e soluções que economizem tempo do cliente são algumas das diretrizes pós-vírus.Em um mundo conectado em tempo real, a transparência é a melhor estratégia. (matéria interessante, vale a pena ler as novas dicas destes serviços pós-covid-19) (Folha)

Painéis solares conquistam público (Oportunidade de mercado e profissão)
Descontos nas contas podem chegar a até 90%, dependendo do gasto de energia, e investimento pode se pagar em até seis anos e meio. Para 2021, a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) estima que a geração distribuída deve saltar de 4,4 gigawatts para 8,3 gigawatts. Os investimentos nessa área, tanto de consumidores, quanto de fabricantes, devem chegar a R$ 17,2 bilhões. De acordo com o marketplace de energia solar 77Sol, a demanda está crescendo de maneira muito acelerada. A empresa conecta 3 mil parceiros (entre empresas e instaladores) a clientes. Vendo o aumento da procura, a startup está preparando um curso para formar mais instaladores – mesmo sem esse curso, a plataforma tem visto o número de profissionais crescer de 300 a 400 por mês. De acordo com um levantamento realizado pela empresa de soluções em energia Comerc em capitais de todo o País, o tempo médio de retorno do investimento de empresas e de consumidores residenciais na geração distribuída varia entre quase 4 anos, em Cuiabá (MT), e 6 anos e meio, em Curitiba (PR). Em São Paulo, que possui maior quantidade de consumidores, a conta costuma fechar em 5 anos e 10 meses. A Comerc leva em conta tanto o potencial de geração energética (que é a incidência solar na região), quanto o preço médio cobrado pelas distribuidoras em cada localidade.

Vida pós-vacina ainda requer cautela, dizem especialistas
Aplicação deve ser celebrada, mas cuidados precisam ser tomados até que maior parte da população esteja imunizada, mas médicos e cientistas recomendam cumprir todas as medidas de prevenção até que a cobertura vacinal chegue a pelo menos 70%. É mais seguro aguardar 15 dias após a segunda injeção (ou 15 dias depois da dose única, no caso da vacina da Janssen). Com a chegada de novas variantes, como a delta, o cenário fica um pouco mais complicado. Estudos recentes mostram que essa variante é mais transmissível do que as anteriores e consegue resistir parcialmente aos anticorpos gerados pelas vacinas. Para médicos e cientistas, esse momento deve ser celebrado com cuidado, principalmente porque no Brasil os números de novos casos e mortes são ainda altos, o que indica que o vírus circula livremente entre a população. Estudos recentes mostram que essa variante é mais transmissível do que as anteriores e consegue resistir parcialmente aos anticorpos gerados pelas vacinas. No caso das vacinas aplicadas em duas doses, uma primeira dose foi praticamente inócua contra a delta, e a proteção só se formou 15 dias depois da segunda dose.

Brasil deve ter 70% de vacinados em dezembro
Patamar é fundamental para que a imunização coletiva controle a transmissão do vírus; inconstância do cronograma federal e faltosos na 2ª aplicação são desafios para atingir meta. Esquema vacinal completo é importante para garantir proteção conta variante.O Brasil tem capacidade para imunizar 70% da população com duas doses da vacina contra a covid-19 até dezembro, caso mantenha a média de um milhão de doses aplicadas por dia. A taxa é considerada ideal para que a vacina seja capaz de controlar o vírus.É preciso vacinar completamente cerca de 147 milhões de brasileiros para alcançar essa cobertura. Entre compras e doações, o Brasil terá 41 milhões de doses da Janssen, de aplicação única, até o fim do ano — 3,8 milhões já chegaram. Outras 106 milhões de pessoas terão de ser vacinadas no esquema de duas doses. Ao todo, o País deve aplicar 253 milhões de doses para imunizar 70% da população. Considerando que o Brasil já aplicou cerca de 115,7 milhões de vacinas — entre 1ª dose, 2ª dose e dose única —, ainda precisamos aplicar 137,3 milhões de doses.

Estado de S. Paulo

  • ‘Vamos testar uma taxa progressiva para os dividendos’
  • Bancos ampliam linha de crédito para atender demanda
  • Energia solar conquista consumidores
  • Setor de combustíveis critica veto em MP
  • Empresas vão atrás de aval a ações sustentáveis
  • ‘Comitê socioambiental responde para o CEO’
  • Executivo brasileiro é menos otimista com agenda ESG do que estrangeiro
  • Casos da variante Delta no Rio saltam para 74
  • Provas externas têm de mudar sala de aula, afirmam especialistas
  • Austrália e Coreia do Sul podem inspirar plano nacional
  • Avaliação no Brasil deve se alinhar ao currículo, diz OCDE
  • Líder, MS tem bônus e rapidez de distribuição
  • No ritmo atual, País consegue ter 70% de vacinados com 2 doses em dezembro

O Globo

  • Na pandemia, busca por plano patrimonial cresce
  • Finanças de brasileiros estão na corda bamba, mostra pesquisa
  • ‘Só não vamos vender o que não é permitido por lei’
  • Missão social, mas com lucro
  • ‘Hoje, número de casos é menos crucial que o de internações’
  • Com vacinação lenta, DF vê fila nos postos em busca da xepa

Folha de S. Paulo

  • Novos hábitos mudam estratégia de empresas para vendas pós-Covid
  • Projeto faz de lixo eletrônico inclusão digital
  • Mais de 50% das indústrias têm falta de insumo, diz FGV
  • Com avanço da vacinação, turismo inicia retomada no Nordeste
  • Youtubers cubanos desafiam a ditadura
  • França libera entrada de turistas brasileiros vacinados contra Covid
  • Cuba evoca velhas narrativas, e Biden se alinha mais a Trump do que a Obama
  • Prefeitura diz investir para melhorar acesso à internet nos bairros
  • São Paulo tem 100 mil alunos com dificuldade de se conectar
  • Aumento da vacinação complica testes de novos imunizantes contra a Covid
  • Vida pós-vacina de Covid ainda requer cautela
Marisa Pereira