Manchete nos Jornais desta Terça-feira, 27 de Julho de 2021

Saúde quer antecipar segunda dose da Pfizer
Ministro planeja reduzir intervalo entre aplicações de 84 para 21 dias, como indica bula, se entregas fluírem.O plano segue a indicação da bula do imunizante, mas só será viável se não houver mais soluços nas entregas do fármaco —algo difícil de garantir.O Brasil demorou a começar a vacinar, e, com a antecipação da segunda dose, pretende-se frear a disseminação da variante delta, mais transmissível. Dos demais imunizantes em uso, a Janssen tem dose única, e a Coronavac, intervalo de 28 dias. Agora, apenas a AstraZeneca mantém um hiato maior, de 12 semanas, como indica o fabricante. Estados como o RJ, contudo, encurtaram o período. No total, o ministério comprou 200 milhões de doses da Pfizer. Até 1º de agosto já terão sido entregues, no total, 30 milhões de doses. Em agosto e setembro devem ser disponibilizados outros 70 milhões, e, de outubro a dezembro, os 100 milhões de doses restantes. A antecipação da segunda dose pode ajudar a frear a epidemia no país, já que garante uma imunização mais efetiva contra o vírus. Pode ser importante também no combate à variante delta, considerada mais contagiosa do que as outras que já circulam no Brasil. A previsão da pasta, diz Cruz, é que haja cerca de 63 milhões de doses disponíveis de vacinas em agosto —destas, 33 milhões seriam da Pfizer, 20 milhões da Coronavac e 10 milhões da AstraZeneca/Fiocruz. (Folha)

Capitais adiam primeira dose por falta de vacinas
Ministério da Saúde ficou seis dias sem fazer novas remessas de vacinas a Estados; pasta afirmou ter iniciado a entrega de 10,2 milhões de unidades ontem. Prefeituras pelo Brasil mantiveram aplicação somente da 2ª injeção do imunizante ou alteraram cronog.Conforme dados coletados pela plataforma apolinar.io/vacinas, foram entregues na semana passada ao governo federal 6,2 milhões de doses da Pfizer, 4,8 milhões de unidades do imunizante Oxford/astrazeneca e 3,5 milhões de Coronavac. Outro lote de 1,5 milhão do Butantan foi liberado ontem. Nenhuma dessas, no entanto, havia sido distribuída até a manhã de ontem, quando várias capitais optaram pela suspensão. Antes da nova remessa iniciada ontem à tarde, a última entrega federal a Estados havia sido na terça passada, e com doses entregues na semana anterior. O ministério não comentou o motivo da demora no envio. (Estado)

Investimento volta mais rápido que em outras crises
Um ano após impacto mais agudo sobre a produção de bens de capital por causa da pandemia de covid-19, dados de estudo do governo apontam que recuperação de empresas se consolida sem ajuda de crédito de bancos públicos; poupança também tem retomada.Após um ano do pior impacto da pandemia sobre a produção de bens de capital, que inclui máquinas e equipamentos, os dados mostram que a recuperação do investimento tem se consolidado em vários setores e se espalhado em todas as regiões do País e já atingiu o mesmo porcentual máximo de difusão observado antes da crise.Essa é a radiografia do comportamento dos investimentos no País apresentada pelo Ministério da Economia em estudo que procurou responder à pergunta: o Brasil vai retornar à tendência de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) anterior à crise da covid-19 ou a recuperação vai se transformar num “voo de galinha”? O estudo chama a atenção para o fato de que a retomada do investimento acontece sem o empurrão dos bancos públicos, como BNDES e Caixa, e sim com financiamento pelo setor privado, inclusive via emissões de títulos das empresas, como debêntures. (Estado)

Relator estuda isenção para o Simples
Ideia de criar tributação com uma tabela progressiva não prospera; Celso Sabino diz que manterá alíquota de 20% e isenção até R$ 20 mil. O relator informou que vai manter a alíquota de 20%. A distribuição de lucros e dividendos é isenta no Brasil desde 1995. Sabino pretende manter no seu parecer a isenção até R$ 20 mil para as empresas que pela legislação são enquadradas como micro e pequenas, que têm faturamento anual de até R$ 4,8 milhões. Nem todas elas estão no Simples. Na prática, as empresas que declaram pelo lucro presumido (uma forma de tributação simplificada) e com faturamento acima de R$ 4,8 milhões (limite do Simples) terão a cobrança da lucro e dividendos com uma alíquota de 20%. “Estão consolidadas a alíquota de 20% e a isenção de R$ 20 mil”, disse Sabino. Fim de auxílio. O relator chamou atenção também para uma medida que vai manter no parecer e que, segundo ele, tem potencial de uma economia de R$ 1,7 bilhão por ano: o fim da isenção do Imposto de Renda para auxílio-moradia e transporte dos agentes públicos, entre eles políticos, juízes e servidores. Sabino disse que não abre mão dessa medida no seu texto e está confiante de que ela vai passar no Congresso. Ele lembrou também que o projeto prevê uma economia nas despesas do governo federal de R$ 300 milhões com a aprovação pelo Congresso do projeto que acaba com os supersalários ao regulamentar o que pode ficar fora ou não do teto remuneratório do setor público federal. O teto tem como base o salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Hoje, esse teto é de R$ 39,3 mil, mas uma série de “penduricalhos” como bônus e auxílios acabam ficando fora do teto e permitindo os chamados supersalários.“Estamos fazendo as contas. É uma medida de forte ânimo para milhares de empresas.” Celso Sabino

O Estado de S. Paulo

  • Braço da GP é sócio de 8 unicórnios
  • NotCo, de alimentos vegetais, recebe aporte de US$ 235 mi e vira ‘unicórnio’
  • Bolsonaro desiste de proposta que desagradou à OAB
  • Relator estuda isenção para o Simples
  • Pandemia afeta mais as cidades desiguais
  • Mercado vê inflação mais alta pela 15ª vez
  • Construção é uma Ferrari com freio puxado, diz CBIC
  • Avanço teve impulso do mercado de capitais
  • Economia vê volta de investimentos mais rápida do que em outras crises
  • Saúde descarta aplicar 3ª dose de vacinas
  • Ministério reduz janela entre doses da Pfizer
  • Governos inflam n° de categorias profissionais com prioridade
  • Com demora em entrega federal, pelo menos 8 capitais suspendem 1ª dose

O Globo

  • Novas regras da China derrubam papéis do setor de educação
  • Fundo patrimonial arrecada R$ 7 milhões e apoia alunos da UFRJ
  • Joaquim Levy: Por que não desmatar
  • Em menos de duas semanas, Pronampe libera 70% dos recursos
  • Espera por perícia no INSS leva até 39 dias
  • Senador prepara texto sobre unificação de impostos
  • Entidades pedem rejeição da reforma tributária
  • Espaço para os aliados
  • Intervalo entre doses da Pfizer será reduzido de 3 meses para 21 dias

Folha de S. Paulo

  • Advogados e comércio pedem que reforma do IR seja arquivada
  • Deputado defende trabalho infantil ao elogiar Fadinha
  • Greve de caminhoneiros tem atos pontuais e isolados
  • Nova onda de frio ameaça campo e pode elevar preço de café, frutas e hortaliças
  • ONS abre chamada para contratação emergencial de térmicas
  • Crise de energia já estava anunciada, diz pesquisador
  • Em cúpula bilateral, Pequim acusa EUA de demonizar China
  • Após EUA, Austrália vê ação da direita contra debate racial em escolas
  • Entenda as polêmicas do AfD, partido radical de Beatrix
  • Bolsonaro recebeu líder da ultradireita alemã fora da agenda
  • Contra delta, Europa adota passe sanitário e vacina obrigatória
  • Anvisa recebe pedido de uso emergencial de vacina da Sinopharm
  • Antônio Roberto Chacra: Insulina, responsável por salvar milhões de vidas em todo o mundo, faz cem anos
  • Com ligação e visita, cidades em SP caçam atrasados na 2a. dose
  • Entraves na testagem
  • Anunciado há dois meses, plano para ampliar testagem contra Covid trava
  • Capitais pausam 1o. dose; ministro nega que haja estoque parado
  • Site vai informar tipo de imunizante para 2a dose em São Paulo
  • Queiroga quer acelerar 2ª dose de vacina Pfizer

Valor Econômico

  • Em meio à retomada, estoque baixo na indústria preocupa
    Baixa estocagem afeta empresas nacionais, como a Agrale; e unidades de multinacionais, caso da AGCO Corporation no Brasil e a John Deere, fabricantes de maquinário agrícola
  • Spread bancário médio de maio é o menor desde 2013
    Banco Central aponta o cadastro positivo entre os fatores que contribuem para redução estrutural do spread bancário
  • Justiça reduz tributação de cargas
    Companhias de comércio exterior vêm recorrendo às instâncias inferiores do Judiciário para tentar pagar só da data da decisão da Corte superior em diante
  • Laboratório recomendou reduzir intervalo
    O laboratório afirma que os estudos de que dispõe levam em conta esse cenário mais curto e não o que vem sendo adotado até agora no Brasil
  • Novo boom das commodities pode reerguer o Brasil?
    A maneira como o Brasil enfrentará essa tendência de crescimento do agrobusiness e de franca desindustrialização poderá determinar a libertação do país de um padrão histórico de surtos de crescimento seguido de crises
  • Geadas no Brasil levam café a subir mais 10% em Nova York
    Perdas ainda não foram dimensionadas, mas motivam especulação
Marisa Pereira