Manchete nos Jornais desta Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2021

Com apoio do BC, cooperativas de crédito ganham mercado

Banco Central quer que segmento dobre fatia no sistema financeiro até 2022 para reforçar inclusão e concorrência. Em movimento contrário ao dos grandes bancos, que estão fechando agências, as cooperativas de crédito ampliaram a presença física no País durante a pandemia, com o apoio do Banco Central. O BC estabeleceu como meta o aumento da participação das cooperativas no Sistema Financeiro Nacional dos atuais 10% para 20% até 2022, descontando os créditos às grandes empresas, um segmento em que elas não atuam. Hoje, há 827 cooperativas de crédito no País, com ativos totais de R$ 310 bilhões e uma carteira de empréstimos de R$ 156 bilhões. Na avaliação do BC, as cooperativas são importantes porque irrigam pequenas empresas, ampliam a competição bancária e favorecem a inclusão financeira. Maior instituição do segmento, o Sicoob abriu 197 agências em 2020, um crescimento de 6% da sua base. O Sicredi, segunda maior cooperativa, aumentou sua rede em mais 150 pontos na pandemia.Enquanto os grandes bancos fecharam mais de mil agências no último ano – e planejam enxugar ainda mais –, as cooperativas de crédito ampliaram a presença física na pandemia e fincaram os pés em novos pontos do País.Maior instituição do segmento, o Sicoob abriu 197 agências em 2020, um crescimento de 6% da sua base, que alcançou 3,48 mil postos. Com isso, em número de agências, só perde agora para o Banco do Brasil, que fechou dezembro com 4,4 mil unidades. O Sicredi, segunda maior cooperativa financeira do País, com 2 mil agências, aumentou sua rede em mais 150 pontos na pandemia e tem outras 250 unidades previstas para este ano, com investimentos de R$ 200 milhões.

O Estado de S. Paulo

  • BNP atrela crédito a respeito à Amazônia
  • Nigeriana será a primeira mulher a comandar OMC
  • Endividamento das famílias bate novo recorde na pandemia
  • Defasagem da tabela teve início em 1996
  • Ampliar isenção no IR custaria R$ 74 bi
  • ‘Há 10 anos não opero com banco comercial’
  • Com apoio do BC, cooperativas de crédito ganham mercado
  • Britânicos isolam viajantes em hotéis
  • Contágio cai 39% em duas semanas nos EUA, mas ritmo de vacinação preocupa
  • Estados e Congresso cobram mais vacinas
  • Bolsonaro fala em pedido para uso de spray israelense
  • OMS aprova uso da vacina de Oxford e AstraZeneca
  • Praia da Pipa vira exemplo de risco para a covid-19
  • Cidade mineira relata falta de cilindros de oxigênio
  • Registro de cepa do Amazonas avança em SP, preocupa cidades e causa lockdown
  • Enfim, emancipação do BC
  • A grande estratégia chinesa
  • Uma PEC cada dia mais emergencial

O Globo

  • Brasil traça estratégia para melhorar imagem ambiental no exterior
  • Ngozi Okonjo-Iweala é a 1§ mulher a comandar OMC
  • União terá cadastro próprio para retomar auxílio
  • Falhas na lei dificultam punição de crimes digitais
  • Isolamento na pandemia afasta ‘germes do bem’
  • Perigo disseminado: Cientistas explicam por que expansão de cepa preocupa
  • Pandemia é ignorada em todo o Brasil no feriado do carnaval
  • O bloco da aglomeração continua atravessando o samba nas ruas da cidade
  • ‘Vacina de vento’ vira caso de polícia
  • Vacinação empaca
  • Bolsonaro quer aumento de tributação para redes sociais

Folha de S. Paulo

  • Agro organiza novo tratoraço contra alta de ICMS em SP
  • Indústria descarta falta de algodão para vacina, mas vê alta de preços
  • Guedes planeja medidas anticrise menos dependentes do Tesouro
  • Combater nacionalismo da vacina será prioridade, diz nova chefe da OMC
  • Pandemia reforça aproximação comercial entre o Brasil e a Ásia
  • Estado de SP confirma 25 infectados pela variante de Manaus, sendo 16 autóctones
  • Sem doses, Rio vai suspender vacinação contra Covid, diz Paes
  • Manaus tem o quíntuplo de mortes das capitais

Candidatos declararam R$ 200 mi de locomoção

Na pandemia, recordista declara gasolina suficiente para rodar o globo 27 vezes. Em pleno ano de pandemia, com medidas de distanciamento em vigor, candidatos a prefeito e vereador gastaram em 2020 quase R$ 200 milhões de verba pública em combustíveis e locação de veículos, além de transporte, hospedagem e passagens aéreas. O campeão de gastos, deputado Nicoletti (PSL-RR), consumiu gasolina suficiente para 27 voltas no globo terrestre. São Paulo Em pleno ano de pandemia da Covid-19, com medidas de distanciamento em vigor, candidatos a prefeito e a vereador gastaram no ano passado quase R$ 200 milhões em combustíveis e locação de veículos, além de transporte, hospedagem e passagens aéreas. Esses recursos saíram especialmente do fundo público de financiamento de campanha.

Marisa Pereira