Manchete nos Jornais desta Segunda-feira, 22 de Novembro de 2021

Caixa retoma horários normais nas agências
A Caixa Econômica Federal voltará a atender nos horários tradicionais a partir de amanhã. Na maior parte do País, as agências do banco vão funcionar das 10h às 16h, com exceções para cidades de menor porte. A lista completa dos horários de agência está disponível no site da instituição. (Estado)

Trabalhador sem auxílio nem salário recebe indenização
Profissional afastado que não consegue o auxílio-doença nem o salário pode processar o INSS e o empregador. O TST condenou uma empresa a pagar indenização por danos morais a uma ex-funcionária que ficou sem salário após ter recebido alta do INSS, mas não foi reintegrada em seu emprego. No chamado limbo previdenciário, o trabalhador não consegue votar à ativa e também fica sem auxílio. Veja o que fazer. (Agora)

5G não é ‘bala de prata’ para conectar escolas
Quem esperava que o 5G fosse a ‘bala de prata’ vai continuar a ver o lobisomem vivo. O leilão do 5G foi exemplo de como essa questão é tratada de forma desleixada entre nós. Tentou-se a todo custo excluir a exigência de conectar escolas do leilão. Por exemplo, a obrigação de conectar 31 mil quilômetros de estradas entrou fácil no leilão. Ganha um doce quem conseguir justificar por que conectar as estradas do país é mais prioritário do que conectar as escolas. No fim, a obrigação de levar conexão às escolas acabou entrando em razão de uma intervenção do Tribunal de Contas da União e por pressão da frente parlamentar de educação no Congresso. No entanto, essa obrigação foi atrelada à venda das faixas menos cobiçadas do leilão, que são as frequências de 26 GHz. Essas frequências, para serem usadas em escala, ainda precisam de muita infraestrutura, pesquisa e desenvolvimento. Tanto é que os mais pessimistas enxergam que o leilão dessas faixas simplesmente fracassou. Vários lotes nem sequer tiveram lances. O valor de arrecadação esperado era de R$ 7,6 bilhões, e nem a metade foi alcançada. Hoje, o país, sem planejamento, gasta muito e gasta mal. Muitas vezes há sobreposição de investimentos dos três entes federativos em uma mesma área e falta total de recursos em outras. Dividir claramente quais as competências e atribuições de cada ente geraria eficiência enorme e impacto imediato. Quem planeja gasta menos e faz muito mais. Para dar certo, precisa envolver não só o setor público, mas também o setor privado, a comunidade científica e a sociedade civil. Na maior parte dos casos em que o Brasil atuou em questões de tecnologia a partir de uma estratégia multissetorial, essa atuação deu certo. Vale lembrar: é impossível construir a educação do futuro se a premissa disso —conectividade— não existe. (Folha)

Aposentado pode perder com PEC dos precatórios
Pequeno credor terá dificuldade para comprar imóvel ou direitos de crédito, opções criadas pelo governo. A PEC dos Precatórios, que institui o calote a dívidas com sentenças judiciais, pode afetar o pagamento da União a grupos prioritários como aposentados e professores. Especialistas também afirmam que pequenos credores terão dificuldade em utilizar as alternativas para recebimento desses recursos prevista na proposta. Entre elas, estão quitar débitos parcelados ou inscritos em dívida ativa, pagar outorga, comprar imóvel público, ação de estatal e direito de receitas de petróleo. Também avaliam que essas opções devem ser uma escolha do credor, e não imposição do Estado.Atualmente, a Constituição dá prioridade ao pagamento de precatórios alimentares, aqueles decorrentes de decisões da Justiça sobre salários, benefícios previdenciários, indenizações por morte ou invalidez, por exemplo.Entre os alimentares, são considerados prioritários os pagamentos relacionados a credores com 60 anos ou mais, ou que sejam portadores de doença grave, ou pessoas com deficiência, até o limite de 180 salários mínimos (cerca de R$ 215 mil em 2022). Estimase que esse grupo represente entre R$ 12 bilhões em precatórios no próximo ano.Os demais de natureza alimentar somariam R$ 8 bilhões, segundo cálculos da empresa Mercatório com base em informações do Orçamento e do Ministério da Economia. Também chamada de PEC do Calote, a proposta coloca no meio desses dois grupos — após os alimentares com prioridade e antes dos demais alimentares—, na fila de preferência, os pagamentos relativos ao Fundef/Fundeb (fundos da área de educação), parcelados em três anos. (Folha)

Meio ambiente virou diretriz empresarial
O compromisso de EUA e China na busca de soluções para a questão climática foi uma surpresa. Sem as duas maiores economias do planeta, ficaria mais desafiador empreender esforços pelo meio ambiente. Foi destaque a enorme mobilização de ativistas, observadores, cientistas, ONGS e políticos nos debates. Trouxe-nos a esperança de que o tema ambiental é central e, sobretudo, que os governos serão cobrados com intensidade muito maior com relação às suas decisões e ações. A sociedade, em escala mundial, assumiu e tornou sua a causa da proteção ambiental. (do Brasil) Foram exibidos casos de sucesso na redução dos gases de efeito estufa por meio do aproveitamento de resíduos líquidos e sólidos na produção de energia limpa no Centro-oeste. Ficou a mensagem de que novas tecnologias permitem uma atividade rural sustentável, da qual façam parte o uso renovável da água, geração alternativa de energia e preservação das matas. Foi notável também a ativa participação dos empresários em Glasgow. Estiveram lá inúmeros representantes de grandes empresas e organizações dedicadas ao tema da sustentabilidade ambiental, como (CEBDS), O comprometimento com o meio ambiente mostrou ser uma diretriz de estratégia empresarial. O comprometimento com o meio ambiente ultrapassou os padrões do marketing e mostrou ser uma diretriz de estratégia empresarial. E são elas, as corporações, as que têm capital para impulsionar as transformações nos modos de produção e comportamento da sociedade.(Estado)

Para economista, Brasil vive muita incerteza, com juros altos e pouco espaço para gastos públicos ‘Estamos colhendo o custo do populismo’ – (Lulismo & Bolsonarismo)
O Brasil entrou na pandemia com uma economia mais frágil que a de outros emergentes, enfrentou o período sem planejamento e saiu dela desrespeitando regras fiscais, o que cria incertezas e reduz investimentos, segundo análise da economista Silvia Matos da (FGV/IBRE) Esse cenário levará o País a um desempenho fraco em 2022. “A incerteza na economia brasileira é muito alta e o contexto é de limitações do crescimento, com juro alto e sem espaço para gastos públicos”, diz ela, que prevê um PIB de 0,7% no ano que vem. De acordo com a economista, a situação poderia ser mais positiva, pois algumas reformas foram feitas nos últimos anos e deveriam ajudar na retomada. Medidas populistas, como o Auxílio Brasil – criado sem planejamento e discussão –, no entanto, impedem uma melhora da economia. (Estado)

O Estado de S. Paulo

  • Manchete: Brasil deve ter pior resultado de economias emergentes em 2022
  • São Caetano lidera lista de cidades mais sustentáveis
  • Barueri é a cidade mais competitiva do Brasil
  • Eletrobras define bancos para oferta de ações
  • Caixa retoma horários normais nas agências
  • ‘Estamos colhendo o custo do populismo’
  • Com oposição na disputa, eleição na Venezuela tem maior participação
  • No Chile, caldo de polarização vai ferver ainda mais em 2022
  • Nova arma hipersônica da China viaja 5 vezes mais rápida do que o som
  • Em eleição polarizada, ultradireita e esquerda farão 2º turno no Chile
  • Ministro nega interferência na prova; 26% dos candidatos faltam
  • Apesar das críticas de Bolsonaro, Enem trata de gênero e luta de classes
  • Com avanço lento na reciclagem, metade das cidades ainda tem lixões
  • Brasil sente mais o choque nos preços

O Globo

  • Manchete: Empresas buscam ajuda para reduzir conta de luz
  • Bancos digitais facilitam abertura de contas em moeda estrangeira
  • Brasileiro quer adiantar Natal na ‘Black Friday’
  • BDRs: cresce interesse em investir lá fora
  • As 10 maiores ações do Ibovespa: ruim com elas, pior sem elas
  • Ex-ministros pedem mudanças em presidência do Inep
  • MEC cortou pela metade verba para divulgar o Enem 2021
  • A cara da Ciência: Sem ceder à pressão política, Enem teve temas sociais e só 26% de abstenção
  • Em Belo Horizonte, idoso tenta Enem pela 10a. vez
  • Ministro sugere que número de inscritos cai por escolas fechadas

Folha de S. Paulo

  • Manchete: Minha reeleição não depende de Bolsonaro, diz Lira
  • Gabinete de ministro do TCU vira reduto de apoio ao governo Bolsonaro
  • Governo insiste em minirreforma trabalhista e quer que Congresso a lidere
  • PEC dos Precatórios gera risco de calote para aposentados e educação
  • BC cria novo horário para limite noturno de R$ 1.000 no Pix
  • Observadores indicam baixo comparecimento na Venezuela
  • Apuração aponta Kast e Boric no segundo turno no Chile

Valor Econômico

  • Bancos adotam modelo híbrido de trabalho
    Parâmetros diferem, mas todas as instituições estão adaptando estruturas físicas e procedimentos para receber de volta quase a totalidade dos funcionários
  • Cutrale deixa de exportar suco para os EUA
    Companhia decidiu suspender os embarques do produto concentrado e congelado (FCOJ) do Brasil aos EUA e estuda investir em fazendas e fábrica no México
  • Governo reduz incentivo a vale alimentação
    Novas regras preveem que o abatimento dos vales só deverá ser aplicado para os rendimentos de até cinco salários-mínimos
  • 1% mais rico tem 35 vezes a renda dos 50% mais pobres
    Apesar da diferença, desigualdade até caiu no ano passado, por conta de programas emergencias para aliviar os efeitos da pandemia
  • Inflação de serviços acelera e preocupa BC
    Os chamados “serviços superiores não subjacentes” superaram em outubro, um mês antes do que era previsto, o patamar anterior à pandemia
  • Auxílio permanente gera debate sobre compensação
    Os parlamentares precisam definir se vão querer cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e fazer compensações em outras despesas ou se também colocarão no texto constitucional a liberação dessa exigência legal
  • O importante alerta que vem da Europa sobre a pandemia
    Festas de fim de ano e Carnaval também exigirão atenção do poder público e responsabilidade da população
  • Pesquisa no país encontra resíduos de defensivos em 11% dos alimentos
    Ministério da Agricultura avaliou 2,6 mil amostras entre 2019 e 2020; casos fora de conformidades não representam, necessariamente, risco à saúde
  • Limite de dedução do IR com vale refeição pode parar na Justiça
    Mudança de regras por meio do Decreto nº 10.854 terá validade a partir de 11 de dezembro
  • A prorrogação da desoneração da folha
    Reoneração da folha de pagamentos em plena crise sanitária ocasionaria impacto inestimável para empresas
  • Novas regras do PAT podem inibir fraudes sobre benefícios
    Uso do benefício passa a ser restrito a restaurantes e similares ou para a aquisição de gêneros alimentícios no comércio
Marisa Pereira