Título da categoria

Autem vel eum iriure dolor in hendrerit in vulputate velit esse molestie consequat, vel illum dolore eu feugiat nulla facilisis at vero eros et dolore feugait.

Arquivo de categoria Destaques

Manchete nos Jornais deste Domingo, 26 de Setembro de 2021

Brasil no pódio da comida cara
Inflação da comida é vice-campeã na América Latina.A inflação da comida no Brasil perde apenas para a carestia da Argentina, entre as 12 maiores economias da América Latina. FOLHA

Sul terá mais chuvas em outubro, mas Sudeste ainda sofre com seca
O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) informou nesta sexta-feira (24) que outubro deve trazer um bom nível de chuvas para a região Sul, ajudando a recuperar os reservatórios. FOLHA

Licença de mães e pais reforça debate sobre lei
Diante da baixa adesão ao programa Empresa Cidadã, projeto tenta ampliar benefício em favor da infância.A oferta de licença parental estendida tem feito parte do plano estratégico de algumas empresas que compreenderam que funcionários felizes têm desempenho melhor. ESTADO

Instituto particular pretende ser o ‘MIT brasileiro’
Durante a graduação, os alunos desenvolvem um projeto a cada dez semanas. Ao fim do curso, podem escolher entre três eixos de carreira: a acadêmica, para pesquisadores ou professores; o empreendedor, para quem deseja criar a própria startup; e um voltado para o mercado. No currículo, estão disciplinas práticas da computação como UX (experiência do usuário), linguagem de programação, desenvolvimento para a web, assim como competências socioemocionais e visão de negócios, resolução de conflitos, comunicação, autoconhecimento, tomada de decisões, liderança e trabalho em equipe. A primeira fase do processo seletivo para a turma inaugural começa em outubro e oferecerá, no máximo, 240 vagas – pelo menos 90 serão oferecidas a bolsistas. Além da mensalidade, que custa em torno de R$ 5,5 mil, algumas bolsas vão oferecer moradia em São Paulo, alimentação e aulas em inglês. ESTADO

Celso Ming Idosos que sustentam filhos
Escândalos da Prevent Senior chamam a atenção para o acúmulo de problemas que atingiu os idosos na pandemia. Os idosos já são naturalmente mais vulneráveis aos ataques da covid-19 porque enfrentam enfraquecimento no seu sistema imunológico. No primeiro ano de pandemia, três em cada quatro óbitos por covid-19 no Brasil aconteceram em pessoas com mais de 60 anos, conforme apontaram dados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Mas há agravantes. O desemprego e a perda de renda, que atingiram especialmente os mais jovens das classes médias, conjunto social que não tem direito ao auxílio emergencial, obrigaram os mais velhos a empenhar boa parte da aposentadoria e das reservas pessoais formadas após os anos de trabalho no reforço do orçamento de filhos e netos. É fator que conspira contra a segurança no futuro e os obriga a novas renúncias com que não contavam, como o de ter de retornar a novas formas de atividade e a de adiar projetos de vida. ESTADO

Inteligência artificial ajuda pacientes de AVC
Pesquisadores brasileiros desenvolvem aplicativos para rastrear e prever complicações. Tecnologias já existentes reduzem exames e internações. A inteligência artificial está sendo cada vez mais utilizada em diagnóstico, tratamento e reabilitação de pacientes após um acidente vascular cerebral (AVC), principal causa mundial de invalidez ao afastar uma a cada seis pessoas de suas atividades. Outro estudo aborda a complicação de isquemia cerebral tardia em pacientes com hemorragia subaracnóide (condição geralmente associada a aneurismas cerebrais que se romperam). A ideia é que esses dados (pressão, temperatura, frequência cardíaca, alterações laboratoriais e dados de doppler transcraniano) gerem um modelo que nos alerte com dias de antecedência sobre risco de complicação. Os sistemas são alimentados com uma “verdade fundamental” – ou um padrão básico a partir do qual as demais decisões são geradas. Se as máquinas são ensinadas que um determinado padrão exibido na imagem é um objetivo. Os algoritmos conseguem ‘ver’ coisas que escapam de nós. Queremos saber exatamente como isso acontece. ESTADO

Consumidor da periferia reclama que empresas ampliam segregação urbana
Mesmo com dinheiro, morador não é atendido por apps de transporte e comida e empresas de entrega.A ausência do Estado em comunidades mais pobres nos grandes centros urbanos alimenta um antigo debate no Brasil e não faltam estudos sobre esse tema.Com o avanço da digitalização, a prestação de serviços entre áreas mais centrais e periféricas se torna ainda mais desigual, agora também pela distorção no atendimento de empresas privadas.A dificuldade de acesso a bens de consumo e serviços oferecidos por aplicativos e sistemas de entregas digitais por delivery é uma queixa crescente, especialmente entre os mais jovens. Não basta ter formação acadêmica, trabalho e dinheiro para pagar. O endereço gera o que os próprios moradores dessas áreas chamam de segregação urbana e preconceito de CEP. A justificativa das empresas costuma ser que essas regiões não são seguras o bastante para contarem com esses serviços. FOLHA)

Sem carro novo, usado se valoriza e aquece mercado
Alta velocidade. No mês passado, foram comercializados 7,59 milhões de veículos, alta de 48,8% ante o mesmo período de 2020; Fenabrave estima que o negócio de automóveis de segunda mão deve fechar o ano com mais de 11 milhões de unidades vendidas. Para os novos, diz ele, é difícil fazer previsões porque vai depender da capacidade das montadoras de entregar carros para as revendas. A previsão do mercado é de que a falta de semicondutores deve se manter pelo menos até meados de 2022. ESTADO

O Estado de S. Paulo

  • Falta de ESG faz fundos cancelarem investimentos
  • Private equity foca em ativos com preocupações ESG
  • Venda de usados deve desacelerar no próximo ano
  • Carro usado chega a custar mais que um zero quilômetro
  • Sem carro zero no mercado, preço de usados sobe até 20% e vendas disparam
  • Do diagnóstico à reabilitação, inteligência artificial ajuda os pacientes de AVC
  • Inteligência artificial entra na pauta da Câmara e do Senado

O Globo

  • Ferramenta vai identificar celular pirata e bloquear oferta
  • ‘A inflação de alimentos tem sido um complicador’
  • A primeira tempestade: Juros em alta e perdas na Bolsa abalam a confiança de novos investidores
  • Com escolha de imunizante liberada, vacinação bate recorde
  • ‘Reforço da vacina com 1/2 dose pode salvar o mundo’
  • O pessadelo americano: A ‘milícia de coiotes’ que leva pelo deserto brasileiros ilegais até os EUA

Folha de S. Paulo

  • Por fidelização, empresas zeram mensalidade de tag de pedágio
  • Sul terá mais chuvas em outubro, mas Sudeste ainda sofre com seca
  • Estatais de Exército e Marinha são excluídas de auditoria sobre salários
  • Consumidor da periferia reclama que empresas ampliam segregação urbana
  • Em meio a crise política, economia argentina é um vulcão a ponto de estalar
  • Mais de 50 países não batem meta de vacinar 10% da população
  • Hospitais de SP cancelam tratamentos de câncer por falta de remédio
  • Com pandemia, mortes por causa mal definida saltam 30%

Manchete nos Jornais deste Sábado, 25 de Setembro de 2021

Prévia aponta maior inflação para setembro em 27 anos
A escalada de preços dos combustíveis e da conta de luz, que já vem apertando o orçamento das famílias brasileiras nos últimos meses, fez a prévia da inflação oficial subir forte e superar os 10% no acumulado dos últimos 12 meses. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) avançou 1,14% em setembro, a maior alta para o mês de setembro desde 1994, início do Plano Real. O dado, que considerou os preços coletados entre 14 de agosto e 14 de setembro, foi divulgado ontem pelo IBGE.
A estiagem e as cotações elevadas das matérias-primas agrícolas também impulsionaram os preços de alimentos e bebidas. Esse grupo de despesas avançou 1,27% no IPCA-15 de setembro, acima do 1,02% em agosto e do 0,49% de julho. Entre os destaques de alta em setembro, estão as carnes (que subiram 1,10%), a batata-inglesa (10,41%), o café moído (7,80%), o frango em pedaços (4,70%), as frutas (2,81%) e o leite longa vida (2,01%).
Para piorar, o quadro é agravado por problemas associados à pandemia que ainda não se dissiparam. (ESTADO)

Profissional de saúde receberá 3ª dose
A medida vale para quem tomou a 2.ª dose há pelo menos 6 meses. A preferência é pela vacina da Pfizer.Os interessados devem ter mais de 18 anos e precisam ter tomado a segunda dose ou dose única há pelo menos seis meses. Os trabalhadores devem apresentar comprovante de vínculo empregatício em serviço de saúde do Município de São Paulo, documento de conselho de classe, comprovante de profissão, certificado ou diploma. Para se inscrever, basta comparecer à unidade de saúde mais próxima e informar nome e telefone.Já o número de vacinados com duas doses ou dose única de vacinas contra a covid-19 no Brasil chegou nesta sexta-feira a 85.769.785, o que corresponde a 40,21% da população. Enquanto isso, 144.028.288 pessoas, o equivalente a 67,52% do total, receberam ao menos uma dose. Os dados são reunidos com as Secretarias de Saúde de 26 Estados e Distrito Federal. (ESTADO)

Petrobras alega perigo e desliga usina, apesar de pressão do ONS
Para evitar ‘falha catastrófica’, estatal ignorou pedido de adiamento de manutenção
A parada ocorreu e a empresa fez a manutenção. Em laudo enviado para a Aneel e ONS sobre o assunto, a estatal fez questão de destacar que, ainda em fevereiro, em manutenção de rotina, já havia encontrado danos em partes da estrutura da usina. Os reparos foram feitos em manutenções programadas.“A Petrobras tenta, sempre que possível, coordenar as intervenções de maneira programada, inclusive enviando notas técnicas explicando a criticidade dos serviços a serem executados, quando necessário, mas existem situações emergenciais com risco para o equipamento ou instalações”, declarou a empresa ao ONS e à Aneel. Especialistas alertam sobre os riscos desse estresse na estrutura, uma vez que muitas térmicas não foram concebidas para operarem o tempo todo. (ESTADO)

O perigo vem da China
Odesempenho recente da economia chinesa preocupa. Três fatores estão no horizonte das preocupações. Primeiro, a forte desaceleração da atividade econômica que teve início no segundo trimestre de 2021 e pode se agravar nos próximos meses. Segundo, as intervenções do governo nos mercados de educação privada e das grandes empresas de tecnologia (Alibaba, Didi, etc.) e, terceiro, a crise de liquidez da segunda maior incorporadora imobiliária do país, a Evergrande. O objetivo final é criar incentivos para aumentar a taxa de crescimento da população, que está em rápido processo de envelhecimento depois de décadas da política do filho único. Segundo o governo chinês, o elevado custo da educação é um dos principais desincentivos ao aumento do número de filhos. Entretanto, a intervenção, ao aumentar o controle do Estado sobre estes setores, gera queda adicional do investimento e do crescimento da economia.Desde o início do segundo trimestre deste ano, a China vive forte desaceleração da atividade econômica honrar o pagamento de juros de US$ 70 milhões que venceu na semana passada. Uma possibilidade que tem sido discutida entre os analistas é o governo intervir na empresa, estatizá-la e dividi-la em três ou quatro empresas menores. Além disso, será importante proteger os fornecedores e os credores domésticos do setor real da economia, os compradores de imóveis. Como as propriedades imobiliárias correspondem a aproximadamente 70% da riqueza das famílias, será importante proteger os compradores para evitar perda substancial de riqueza e desaceleração adicional da economia. Com a iminência de um calote, os mercados financeiros reagiram com quedas expressivas por causa do temor de contaminação dos bancos internacionais que poderia gerar uma crise financeira global similar à deflagrada pela quebra do Lehman Brothers em 2008. (ESTADO)

O Estado de S. Paulo

  • Banco Inter e Stone, de pagamentos, consideram fusão de operações, diz fonte
  • Cada R$ 1 gasto em publicidade gera R$ 8,54 para o PIB
  • Anatel aprova versão final de edital e marca leilão do 5G para 4 de novembro
  • Insumo pressiona preços de alimentos
  • País pode atrair R$ 3,6 tri em projetos sustentáveis
  • ‘Caso Evergrande é uma implosão controlada’
  • B3 volta a cair com risco de calote da Evergrande
  • Era ‘urgente’ a necessidade de parar, diz estatal
  • Bolsonaro diz tratar crise com seriedade
  • Manchete: Petrobras alega perigo e desliga usina, apesar de pressão do ONS
  • Contas externas têm superávit de US$ 1,68 bilhão
  • Selic maior deve gerar custo de R$ 200 bi por ano para dívida bruta
  • Secretário fala em ‘repique temporário’
  • ‘Cenário é mais complicado do que em outras crises’
  • Prévia da inflação registra recorde em setembro e já chega a 10% em 12 meses
  • Pará quer uso social para madeira de Belo Monte
  • Profissional de saúde receberá 3ª dose
  • Falta de multa pode atrapalhar, diz especialista
  • Lei obriga síndico a denunciar violência doméstica; prédio usa botão de socorro

O Globo

  • STF veta cobrança de imposto sobre correção pela Selic
  • China proíbe transações com criptomoedas
  • Reforma administrativa não tem previsão de ir a plenário
  • Investimento estrangeiro recua 26%
  • Prévia da inflação supera 10% pela 1ª vez desde 2016
  • Evergrande não paga credores, o que eleva temor de investidores
  • ‘Teremos ilhas de degustação ainda este ano’
  • Brasileiro pode ter que dar adeus à picanha no churrasco
  • Leilão do 5G prevê cobertura nas capitais até julho
  • ONU pede que Brasil receba haitianos que estão no Texas
  • Caiu na rede… e nas mãos da polícia
  • Área econômica sugere mudanças de regras ambientais
  • STF barra mais religiosos em áreas de indígenas isolados
  • OMS valida terceiro tratamento contra a Covid-19

Folha de S. Paulo

  • Preço do etanol dispara e pressiona gasolina nas bombas
  • Taxa extra na conta de luz continuará em outubro
  • Grupo publicitário WPP faz acordo em processo de propina que inclui Brasil
  • Inflação e crise política afetam compra de imóvel, diz pesquisa
  • Anatel aprova edital do 5G e leilão ocorrerá em novembro
  • Bolsa fecha semana no azul, mesmo com caso da Evergrande
  • Investimentos estrangeiros diretos no país caíram 26% em agosto, para US$ 4,5 bilhões
  • Prévia da inflação é a maior no mês desde 1994 e vai a 10,05%
  • Relator do IR estuda elevar tributação sobre mineradoras
  • Veja as mudanças na reforma administrativa realizadas até agora
  • Inflação dos mais ricos deve subir com volta dos serviços sem restrições
  • Lei Antimanicomial faz 20 anos em meio a retrocessos
  • Paulistanos sentem alívio e arrepio após anteciparem vacina
  • ‘Como vou confiar no médico?’, diz filha de segurada da Prevent Senior
  • Cidade de São Paulo pressiona por dose extra para a categoria
  • Profissionais de saúde receberão dose de reforço contra a Covid
  • 91% apoiam máscara, e 80% veem Covid domada

Manchete nos Jornais desta Sexta-feira, 24 de Setembro de 2021

Barganha política. A falta de transparência no orçamento público dificulta nosso árduo caminho para o desenvolvimento.Uma grande dificuldade que temos como cidadãos é monitorar nossos governantes. Será que o governo entrega aquilo que promete? Importante neste processo de accountability, de acompanhamento e prestação de contas, é analisar o orçamento público. O orçamento evidencia as escolhas de um governo. Qualquer discussão sobre política pública passa pelo orçamento. Não há política sem verba, e não há processo de accountability sem a compreensão de que o que é público não é de graça. Também não existe processo político sem barganhas e trocas de favores. O Congresso é formado por deputados que representam diferentes ideologias e grupos de interesse. (ESTADO)

Arrecadação tem alta de 7,2% e bate recorde em agosto
Receita com impostos e contribuições federais soma R$ 146,4 bi no mês; no acumulado do ano, valor também é o maior da série histórica.Impulsionada pelo aumento no pagamento de tributos por empresas exportadoras, a arrecadação de impostos e de contribuições federais somou R$ 146,463 bilhões em agosto e bateu o recorde. (ESTADO)

‘Não há milagre para o preço do combustível’
Presidente da Ipiranga e do Conselho de Downstream do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás Para executivo, sistema tributário do País é o ‘mais complexo do mundo’, e não há espaço para soluções ‘artificiais’. (ESTADO)

Alta nas contas de luz e aumento de home office impulsionam busca por energia alternativa
O mercado de painéis solares para geração de energia por consumidores segue em expansão, impulsionado pelo aumento na conta de luz, preocupações com a crise hídrica.
(Neste dado momento, Investimento compensa, além da necessidade, o retorno aparece no curto prazo e a economia passa a gerir lucros, leia mais e pesquise. Vamos aguardar leis que liberem mais investimento privado para o setor da energia solar, trabalho urgente que deve ser feito no Congresso) (FOLHA)

Botijão pode passar dos R$ 100 com a disparada da cotação internacional do gás
A escalada da cotação internacional do propano, matéria-prima para o gás de cozinha, joga pressão sobre os preços do botijão, já perto dos R$ 100, em média, no país. (FOLHA)
(Tabela dos custos operacionais tantos dos insumos, logísticos, bem como dos impostos. Necessário para entender melhor este monopólio estatal de incertezas “estratégicas”)

Avança reforma administrativa com servidor estável
Comissão aprovou o texto-base que também prevê a possibilidade de corte de salários.Apresentada pelo governo Jair Bolsonaro para endurecer as regras do funcionalismo, a proposta acabou por manter previsão de estabilidade a todos os servidores, ainda que com possibilidade de demissão por desempenho insuficiente, e com dispositivo que estipula corte de salário em até 25% em caso de crise fiscal. (FOLHA)
(Não será nesta legislatura que teremos as reformas que o Brasil precisa – A maioria se curva aos mandatários do Brasil – Analise os votos dos seus deputados e conheça melhor para votar ou não, na próxima eleição)

MTST FAZ PROTESTO NA BOLSA
Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto invadiram ontem o prédio da Bolsa de Valores, em São Paulo, em ato contra política econômica do governo e a fome.A ideia foi fazer uma manifestação simbólica para evidenciar a agudização do problema da fome no Brasil, que ocorre de maneira simultânea ao enriquecimento dos estratos mais ricos do país, disseram os organizadores. “De um lado, arrocho no salário, desemprego, inflação, carestia. De outro, a minoria da sociedade enriquecendo cada vez mais. Isso é o que viemos denunciar”, completou.disse Felipe Vono, coordenador do MTST. Dados do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, conduzido pela Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), mostraram que a fome atingiu 19 milhões de brasileiros na pandemia em 2020.

O Estado de S. Paulo

  • Great Wall deve começar a produzir no Brasil em 2023
  • Rio quer viabilizar ‘Bolsa verde’ na cidade
  • Venda de ‘carro voador’ puxa alta da Embraer
  • Hemmer poderá ir para o exterior
  • Em 2ª aquisição no País, Kraft Heinz leva a marca centenária Hemmer
  • Contra apagão, Bolsonaro agora sugere banho frio
  • ‘Não dá para fazer milagre com preço dos combustíveis’
  • Decisão protege grupos de dívidas trabalhistas
  • 4 perguntas para …
  • Governo já vê pressão para prorrogar auxílio emergencial
  • Arrecadação tem alta de 7,2% e bate recorde em agosto
  • Comissão especial da Câmara aprova texto-base da reforma administrativa
  • Escassez de doses amplia tensão com laboratórios
  • EUA voltam a registrar média de 2 mil mortes diárias
  • Às vésperas da eleição, Merkel se lança na campanha
  • Deportação de haitianos agrava crise migratória e intensifica críticas a Biden
  • Cronograma de vacinação no País
  • SP quer pôr fim à disputa por Campo de Marte em troca de dívida com a União
  • O que é ‘Previdência justa’?: Fábio Giambiagi
  • Análise – Amber Phillips: Por que há tantos imigrantes do Haiti na fronteira do Texas?
  • A escalada dos juros
  • Terremoto geopolítico

O Globo

  • ‘Difícil concorrer quando um tem 180 voos e você, dez’
  • Latam ganha mais prazo na Justiça
  • Reforma administrativa passa por comissão e vai a plenário
  • Embraer faz acordo para fabricar 100 carros voadores
  • Impasse com dívida judicial e IR eleva pressão para prorrogar auxílio
  • As formas de pagar os títulos
  • Governo e Congresso negociam 7 opçoes para quitar os precatórios
  • Cada R$ 1 gasto em publicidade gera R$ 8,54 para o PIB do país
  • Kraft Heinz compra a brasileira Hemmer
  • Investir é um ato político’, afirma fundador da Gaia
  • Metade das estreantes na Bolsa perdeu valor de mercado
  • Poluição mata 7 milhões ao ano, diz relatório da OMS
  • Aviso de cautela

Folha de S. Paulo

  • Twitter libera envio de dinheiro pela rede social
  • Como Hui Ka Yan, fundador da Evergrande, queimou uma fortuna de US$ 43 bilhões
  • Dona do catchup Heinz compra Hemmer
  • Bolsa sobe 1,59% após decisão do Copom e alívio com a China
  • Plano verde federal vai contra ofício da Economia
  • Arrecadação em agosto sobe 7,25% e bate recorde
  • Brasileiros veem piora em serviços do Estado
  • Segunda maior térmica para 4 dias após inauguração
  • Alta nas contas de luz e aumento de home office impulsionam busca por energia alternativa
  • Corrida por subsídio turbina registro de usina solar
  • Botijão pode passar dos R$ 100 com a disparada da cotação internacional do gás
  • Não há possibilidade de racionamento de energia em 2021, afirma ONS
  • Sem solução para precatório, cresce pressão por novo auxílio
  • Reforma administrativa avança mantendo estabilidade de servidor
  • Servidor público assume a Saúde na ausência de Queiroga
  • São Paulo antecipa segunda dose da Pfizer a partir de hoje
  • FDA autoriza dose adicional da vacina contra a Covid-19 para pessoas com mais de 65 anos

Valor Econômico

  • Alta de combustível e tarifas aumenta receita dos Estados
    De janeiro a agosto de 2021, o recolhimento do tributo no agregado dos Estados alcançou R$ 409,7 bilhões, alta nominal de 29,7% em relação ao mesmo período de 2020
  • Decreto pode aumentar Bolsa Família
    Benefício não é gasto obrigatório de prestação continuada
  • Temor de auxílio de R$ 400 eleva pressão por precatórios e IR
    Técnicos pedem pressa a Congresso para aprovar mudanças
  • Empresa que distribui até 72% do lucro terá carga menor com reforma, defende governo
    Projeto aprovado pelos deputados, pelas contas do Ministério da Economia, reduz tanto as alíquotas nominais como as efetivas de bancos, financeiras e demais empresas
  • Forças devem ser ‘apolíticas’, diz chefe militar dos EUA
    Para chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, militares devem se pautar pelo “profissionalismo”
  • Moro chega ao Brasil para conversar sobre futuro político
    Para aliados, pode ser um indicativo de que ex-juiz pretende disputar as eleições de 2022
  • Intervenção do Estado em empresas de economia mista
    Quando o Estado usa empresas de economia mista para fazer política pública, fica impossível conciliar o interesse dos acionistas minoritários
  • Silêncio da China intriga cadeia produtiva da carne bovina
    Segundo analistas, nem os importadores do país asiático estão entendendo a demora para a reabertura ao produto brasileiro

CENTRAIS SINDICAIS ATUAM EM DEFESA DOS TRABALHADORES NO CONGRESSO NACIONAL

Em congresso realizado entre os dias 16 e 18 de setembro pela CSB, central dos sindicatos brasileiros, na qual a Feantracoop é filiada, as entidades sindicais debateram os desafios da classe trabalhadores nos últimos anos. Mais de mil sindicatos estiveram reunidos de forma on-line representando diversos setores da classe trabalhadora puderam trocar experiências e percepções sobre o mundo do trabalho.

O foco dos 3 dias de evento foi buscar formas de reduzir os danos que a classe trabalhadora vem sofrendo, além de ações voltadas para assegurar direitos já conquistados e fomentar a economia tão prejudicada, que afeta diretamente a geração de emprego e os ganhos dos trabalhadores. Uma dessas ações é a agenda legislativa que reúne as 10 maiores centrais sindicais como forma de acompanhar o trabalho dos deputados e senadores com relação as pautas de interesse dos trabalhadores no Congresso. Além das entidades filiadas, também participaram importantes nomes da política brasileira, como Ciro Gomes, Guilherme Boulos, o Governador do Maranhão, Flavio Dino, além de deputados federais e senadores.

Essa iniciativa foi lançada em maio deste ano e já trouxe resultados bastante positivos como a derrubada das Medidas Provisórias (MPs) 1045/2021 e 1046/2021, que tratam de uma nova reforma trabalhista e barraram a redução de direitos e salários de jovens com base em um programa precariza a geração de emprego, além da renovação do auxílio emergencial que tem ajudado tantas famílias a se manterem nesse momento de crise.

A relevância do trabalho parlamentar, assim como a importância da iniciativa da Agenda Legislativa das Centrais Sindicais 2021 como instrumento de manutenção do diálogo social aberto com os partidos políticos, parlamentares e líderes de bancadas do Congresso Nacional demonstra que estamos no caminho certo”, explicou Neuriberg Dias, analista político, assessor técnico do Diap e sócio-diretor da Contatos Assessoria Política.

Neuriberg Dias

O presidente da Fenatracoop, Mauri Viana, foi um dos líderes que discursou no evento. Ele falou aos participantes sobre a importância de os sindicatos reinventarem uma nova forma de sustentação sindical, já que o sindicalismo vem passando por uma reformulação nos últimos anos e precisa se blindar dos ataques daqueles que querem ver os trabalhadores sem representatividade.

“Essa estratégia de atacar os sindicatos, vem colocando em risco os trabalhadores, que manipulados por notícias falsas disseminadas pela internet, acabam não entendendo o quão importante é o sindicato para a vida dele. Nós da Fenatracoop, lá em 2017, fomos os primeiros a acabar de vez com a contribuição sindical e qualquer outra taxa associativa. Desenvolvemos um sistema confederativo, que amparada pela nossa constituição, é uma forma de sustentação verticalizada do sistema, onde acabamos com o viés financeiro das negociações coletivas de financiamento sindical e isso é bom para o trabalhador e tem sido muito bem aceito pelas cooperativas, que inclusive estão nos copiando e criando o sistema confederativo patronal”, explicou.

Mauri Viana Pereira – Presidente da Fenatracoop e Sintracoop/PR

Mauri ainda elogiou a iniciativa das centrais de se unirem por um bem comum que é a classe trabalhadora.

É louvável o trabalho que as centrais vêm fazendo, de manter o diálogo com o Congresso, pressionar os deputados com relação as pautas importantes para a classe trabalhadora. É muito importante nos mantermos vigilantes, porque em um piscar de olhos nossos direitos que foram duramente conquistados acabam do dia para noite”, encerrou.

Mauri Viana Pereira – Presidente da Fenatracoop e Sintracoop/PR

Enviado pela Fenatracoop – 23/09/2021 – as 13h50

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Informação é do boletim Salariômetro, divulgado pela Fipe

No mês de agosto, o reajuste salarial mediano no país ficou 1,4 ponto percentual abaixo da inflação, considerando como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Apenas 9,5% das negociações resultaram em ganhos reais, de acordo com o boletim Salariômetro, divulgado hoje (23) pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

O reajuste médio negociado foi de 8,5% em agosto, enquanto o INPC, no acumulado de 12 meses, ficou em 9,9%. O piso salarial mediano – modelo que corrige discrepâncias – negociado foi de R$ 1.255 em agosto, enquanto o piso médio foi de R$ 1.396.

O Salariômetro analisa os resultados de 40 negociações salariais coletivas, que são depositados no Portal Medidor, do Ministério da Economia.

Não houve aumento mediano real como resultado das negociações em nenhum dos últimos 12 meses, conforme a fundação. Desde setembro do ano passado, o índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Segundo a Fipe, a inflação projetada para as próximas datas-base ficará perto dos 10%, o que deverá comprimir o espaço para ganhos reais no futuro.

Fonte: Publicado em 23/09/2021 – 07:15 Por Camila Boehem – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Câmara aprova isenção de IR a aposentados com sequelas da Covid-19

Nesta última quarta-feira (22/9), o Plenário da Câmara aprovou a proposta que prevê isenção do imposto de renda para proventos de aposentadoria, reforma, ou pensão recebidos por pessoas com complicações ou sequelas decorrentes da Covid-19. O texto segue para o Senado.

Segundo o projeto, a isenção será concedida com base em conclusão da medicina especializada e valerá mesmo se a doença tiver sido contraída após a concessão do benefício. A regra passaria a valer a partir do primeiro dia do ano posterior à sua publicação.

A proposta ainda isenta os segurados de carência para acessar benefícios como auxílio-doença e aposentadoria por invalidez quando demonstrarem sequelas graves após a doença. O Ministério da Saúde deverá regular os tipos, critérios e condições para aplicação das regras.

O texto também abrange isenção do IR a militares na reserva remunerada, se forem portadores das doenças já listadas na Lei 7.713/1988, como moléstia profissional, tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira, hanseníase e outras. A previsão vale para militares que forem para a reserva e tiverem complicações da Covid-19. 

Com informações da Agência Brasil.

As falhas do sistema de seguridade social no contexto da reforma da Previdência

Promulgada em 12/11/2019, a reforma da Previdência se tornou bastante questionável. Sob o discurso da necessidade urgente de se modificar o sistema previdenciário, para salvaguardar as presentes e futuras gerações, a Emenda Constitucional 103/2019 extinguiu a aposentadoria por tempo de contribuição, ao impor uma idade mínima de aposentadoria, que seria de 62 anos para a mulher e 65 anos para o homem.

Sob o mesmo argumento, alterou sensivelmente a renda mensal dos benefícios previdenciários, extinguindo-se também a integralidade de salários quando da acumulação de pensão por morte com outras espécies de benefícios. Institui, ainda, uma idade mínima para a concessão da aposentadoria especial, quando os trabalhadores estão sujeitos a agentes nocivos à saúde e integridade física.

Embora a realidade demográfica brasileira não seja satisfatória no sentido de garantir com fartura por gerações uma cartela de benefícios previdenciários à população, há possibilidades sensatas e responsáveis a serem aplicadas e que vão ao encontro de um crescimento social e econômico, ao mesmo tempo em que atendem de forma justa e digna o trabalhador que, com esforço, direta ou indiretamente, contribui com a Previdência Social.

Existem medidas econômicas que garantem um crescimento do orçamento da Previdência Social, tais como o aumento de contribuintes, por meio do fomento de empregos, progressos de gestão, operação de créditos, combatendo-se, ainda, fraudes.

O sistema previdenciário deve ser modernizado e incrementado conforme a nova realidade econômico-social. Todavia, o que se deve combater são de fato os privilégios, pois a reforma atual prejudica massivamente a camada mais pobre da população, tendo em vista que a maioria dos aposentados do Regime Geral de Previdência Social (INSS) recebe entre um e dois salários mínimos.

As pessoas que possuem maior carência financeira quase sempre se aposentam por idade, por passarem boa parte da sua vida profissional, desde a mais tenra idade, na informalidade do mercado de trabalho, o que tende a piorar com a exigência da idade mínima, pois quase sempre não se contratam pessoas, ainda mais com baixa escolaridade, com idades elevadas, acima dos 60 anos de idade.

Segundo dados do IBGE, há cerca de 16 milhões de pessoas acima de 65 anos no Brasil. Todavia, apenas 137,6 mil destas ocupam vagas formais no mercado de trabalho, de acordo com dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2015, o que representa apenas 0,3% dos 48 milhões de trabalhadores formais.

Não se oferece, em tal contexto, o mínimo essencial para garantir a dignidade da pessoa humana, pois uma boa parte da população pode se observar sem emprego e sem aposentadoria, podendo causar, inclusive, impactos na saúde, aumentando-se também os requerimentos de benefícios por incapacidade, que corresponde a aproximadamente 20% de todo montante de benefícios previdenciários.

Ainda conforme dados da Organização Mundial de Saúde, trabalhadores em envelhecimento são aqueles que apresentam mais de 45 anos de idade, sendo que a partir dessa idade a capacidade funcional começaria a ser reduzida se ausentes medidas preventivas e condições de trabalho adequadas, que poderiam resultar em saída precoce do mercado de trabalho.

Portanto, se a ideia é evitar saídas precoces do mercado de trabalho, uma boa medida seria direcionar os investimentos em educação e qualificação do mercado de trabalho, aumentando a capacidade funcional do trabalhador brasileiro. Ademais, as condições de trabalho devem ser adequadas, a fim de se evitar maiores riscos de natureza física, química, biológica ou organizacional ,que podem ocasionar no afastamento precoce do mercado de trabalho.

O sistema de seguridade social, na qual a Previdência Social está inserida, tem por objetivo garantir proteção social na ocorrência de situações de carência, havendo uma responsabilização de todos os indivíduos pelas necessidades vitais básicas de outros, para que todos possam gozar de uma vida digna, a fim de que se realize o bem comum e a justiça social.

Respeitar o maior princípio constitucional, qual seja, o da dignidade da pessoa humana, e viver com dignidade, transmuta-se como um verdadeiro ideal e indicador mais idôneo de uma civilização evoluída e com sedimentação nos direitos sociais conquistados.

Nesse contexto, instituir uma reforma da Previdência com o único intuito de cortar ou suprimir direitos dos trabalhadores ao invés de se ampliar e aperfeiçoar o sistema previdenciário brasileiro é dar um passo atrás nos consolidados princípios da seguridade social.

O sistema previdenciário, albergado nos princípios da seguridade social, deve propor um bem-estar social que esteja em harmonia com o tipo de economia, emprego e família que vem se configurando na referida época pela qual a sociedade se encontra atualmente.

Quanto ao regime de capitalização, ou seja, de previdência privada, que embora não tenha malgrado êxito no cenário da reforma da previdência, e que pode, gradativamente, ser instituído, esclarece-se a importância, quase que imperiosa, de se manter políticas básicas e indispensáveis a determinadas camadas da população, de grupos homogêneos mais vulneráveis e que estejam atinentes com o regime de previdência atual, que tem a tutela do Estado. A exemplo de países vizinhos da América Latina, alguns adotaram totalmente o sistema de capitalização, como Chile e México, ou em parte, como Uruguai, Peru, Colômbia e Argentina. 

Enquanto o sistema previdenciário atual, de repartição, em que os custos dos benefícios previdenciários são repartidos entre todos, não é sensível às condições econômicas, tanto de forma positiva como negativa, pois é mais seguro, mas com rendimento mais baixo, na capitalização há altos custos e anuidades indexadas de acordo com o produto do mercado financeiro e não com a inflação e crescimento salarial. 

Caso a capitalização seja adotada, o que é uma grande tendência, faz-se necessário conciliar uma combinação entre aposentadoria básica financiada por uma repartição simples e a aposentadoria profissional financiada por capitalização referente à renda, com maior grau de diversificação, havendo mais facilidade na redistribuição dos valores arrecadados, vez que o caro recurso dignidade da pessoa humana não pode ser indexado a variáveis taxas de administração de fundos de pensão.

Para tanto, as mudanças estruturais nos regimes previdenciários devem estar embasadas em uma conjuntura política econômica que esteja umbilicalmente relacionada com o sistema de seguridade social.

Carla Benedetti é sócia da Benedetti Advocacia, mestre em Direito Previdenciário pela PUC-SP, associada ao IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário) e coordenadora da pós-graduação em Direito Previdenciário do Estratégia Concursos.

Fonte: Revista Consultor Jurídico, 23 de setembro de 2021, 6h34

Manchete nos Jornais desta Quinta-feira, 23 de Setembro de 2021

CUSTO BRASIL INEFICIENTE
Senadores aprovam a criação do TRF de Minas
O Senado aprovou ontem a criação do Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF-6)a, que tramitava desde 2019 e tratará exclusivamente das demandas judiciais de Minas. A mudança deve agilizar o andamento de ações da esfera federal no estado, hoje apreciados no TRAF-1, que fica em Brasília e abrange 14 unidades da Federação. O texto foi enviado para sanção do presidente Jair Bolsonaro. (EM)
NOTA: Esse projeto, que está com andamento mais atrasado na Câmara dos Deputados, cria uma estrutura com impacto de R$ 21 milhões por ano ao orçamento do Ministério Público Federal (MPF). Há previsão de que sejam criados 18 cargos para procuradores regionais a um custo anual de R$ 10,1 milhões. O valor é semelhante aos outros R$ 10,8 milhões que serão usados em mais 57 cargos efetivos, 18 em comissão e 18 funções de confiança. (O tempo)

Saúde recua e retoma vacinação de adolescentes
Prazo foi reduzido de 12 para 8 semanas; medida é válida a partir desta sexta. Com isso, a partir desta sexta-feira (24), o intervalo passará a ser de oito semanas, e não mais de doze, como acontecia até agora.Assim, todas as pessoas que tomaram a primeira dose de Pfizer há pelo menos 8 semanas podem ir se vacinar nos postos do estado, a partir desta sexta, mesmo que o cartão de vacinação indique uma data posterior para o retorno.De acordo com o governo estadual, 6,9 milhões de pessoas que iriam completar o esquema vacinal até o fim do ano vão ser beneficiadas. (FOLHA)

Relator retoma corte de jornada e salário de servidor
No seu 4º parecer, Arthur Maia volta a incluir na PEC da reforma administrativa redução de até 25% de vencimentos e carga horária. (ESTADO)

Copom eleva Selic de novo em 1 ponto, para 6,25%/ano
Para a reunião em outubro, BC indicou que os juros terão nova alta na mesma linha, para 7,25%. A decisão acompanhou expectativas do mercado. Para analistas e ex-diretores do BC, o quadro macroeconômico demandaria atuação mais agressiva para conter a pressão inflacionária em um ano eleitoral. Há quem preveja a Selic perto de dois dígitos no início de 2022. (FOLHA)

O Estado de S.Paulo

  • Sem acordo, Bolsa Família subiria só R$ 8,51
  • Saída para precatórios inclui ações de estatais
  • Latam vê alta de 350% em buscas de voos para os EUA
  • Comissão especial fica com o Centrão
  • General Motors vai retomar produção em dois turnos nas fábricas de SP e RS
  • Economia reduz previsão de déficit para contas públicas
  • Relator retoma corte de jornada e salário de servidor
  • Nos EUA, Fed indica redução de estímulos ‘em breve’
  • ‘A inflação só volta para mais perto da meta em 2023’
  • Como a nova Selic afeta as aplicações
  • BC aumenta Selic pela 5ª vez seguida e prevê nova alta em outubro
  • EUA doarão mais 500 milhões de doses até 2022
  • Anvisa recolhe lotes vetados da Coronavac
  • Internação diminui em 98% dos hospitais
  • Ministério recua e recomenda vacina para adolescentes
  • Economia libera R$ 19 milhões para radiofármacos
  • Ministério pede licenciamento automático
  • Dona de Belo Monte quer usar árvores nobres do Xingu para produzir carvão

O Globo

  • JPMorgan é alvo de investigação envolvendo a Petrobras
  • Após presidente, diretoria da Refer é exonerada
  • Infraero pós-leilões: 4,3 mil funcionários e nenhum aeroporto
  • Kavak, de carros usados, levanta US$ 700 milhões
  • Inclusão do Judiciário trava debate da reforma administrativa
  • Produtos trazem riscos à saúde e reputação das marcas
  • MP de combustíveis pode confundir cliente
  • Combate exige esforço de governo e sociedade
  • ‘Está faltando comida na mesa de novo’, diz Luiza Trajano
  • Governo e Congresso negociam ampliar desoneração da folha
  • Congresso negocia descontar 40% de precatórios
  • FMI alerta Brasil para inflação
  • Fed mantém juros e vê fim de programa de estímulos
  • Os efeitos no bolso
  • Alerta para inflação e fiscal
  • Fogo no Pantanal preocupa pelo 2º ano
  • Avanço da soja ameaça Pampa gaúcho
  • Caatinga registra recorde de incêndios
  • Cerrado perdeu 6 milhões de hectares
  • Bacias da Mata Atlântica perdem mata
  • Derrubada de floresta acelera na Amazônia
  • Seis desmentidos: Biomas degradados contrariam discurso de Bolsonaro na ONU
  • Tráfico na FAB: PF prende mais um
  • Desvio de verbas de pesquisas científicas é investigado no DF
  • A voz feminina que é ouvida no tribunal do quartel
  • Em SP, internações caem em 98% na rede privada
  • Anvisa manda recolher lotes interditados da CoronaVac
  • Governo decide liberar vacinação de adolescentes
  • Baixa adesão a outra vacinas eleva risco de surtos

Folha de S. Paulo

  • Novo presidente reassume GM no Brasil e anuncia retorno da produção em dois turnos
  • Copom eleva Selic novamente em 1 ponto percentual, para 6,25% ao ano
  • Falta comida na mesa de novo e emprego, afirma Luiza Trajano
  • Receita nega acesso a estudos da reforma do Imposto de Renda
  • PEC dos precatórios irá a comissão comandada por aliados do governo
  • Relator faz concessões para avançar reforma administrativa
  • Riscos fiscais e políticos afastam possibilidade de euforia, diz FGV Ibre
  • Análise – Karin Vazquez: Prioridade chinesa é salvar a face da nação, não a Evergrande
  • Copom deve elevar juros até 8,50%, segundo projetam economistas de bancos e gestoras
  • Mercado já vê Selic se aproximando dos dois dígitos no ano que vem
  • Saúde deve recuar e voltar a recomendar vacina em adolescentes
  • Anvisa determina o recolhimento de lote interditado de vacina
  • São Paulo antecipa intervalo para segunda dose da Pfizer

Valor Econômico

  • Copom eleva juro para 6,25% e indica nova alta de 1 ponto
    No cenário básico apresentado pelo Banco Central, as projeções apontam inflação de 3,7% em 2022 e de 3,2% em 2023
  • MT e Sorriso fazem maiores receitas do agro
    Puxada por soja e milho, receita do município de Mato Grosso atingiu R$ 5,3 bilhões, 35,5% mais que em 2019 e 1,1% do montante recorde nacional de R$ 470,5 bilhões, que aumentou 30,4%
  • Produtividade recua com salto em horas trabalhadas
    Indicador começa a se aproximar da trajetória pré-pandemia, diz Ibre
  • Ministério recua e volta a recomendar vacinação em adolescentes
    Na semana passada, Queiroga havia revogado a recomendação sobre a imunização, pressionado por Bolsonaro
  • OMS lança diretriz global por qualidade melhor do ar
    Entidade faz recomendações para limitar o nível de seis poluentes atmosféricos que mais causam danos à saúde
  • Governo deve apresentar proposta sobre desoneração
    Deputado diz que Planalto pretende encontrar uma “solução definitiva” para financiar previdência
  • E-commerce avança e requer novas regras
    Avanço das vendas na pandemia reforça ações de plataformas para banir venda de produto ilegal
  • China mantém trava contra a carne do Brasil
    Ministério da Agricultura aguarda aval de Pequim para retomar embarques; barreira já dura 20 dias