Título da categoria

Autem vel eum iriure dolor in hendrerit in vulputate velit esse molestie consequat, vel illum dolore eu feugiat nulla facilisis at vero eros et dolore feugait.

Arquivo de categoria Destaques

Manchete nos Jornais desta Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022

Pandemia produz um bilionário a cada 26 horas, e os dez mais ricos dobram fortuna, diz Oxfam
Enquanto a renda de 99% da humanidade caiu durante a pandemia, um novo bilionário surgiu a cada 26 horas, e os dez homens mais ricos do mundo mais que dobraram as suas fortunas, na comparação entre março de 2020 e novembro de 2021.Os dados são de relatório da Oxfam e também mostram que a fortuna das dez pessoas mais ricas do mundo passou de US$ 700 bilhões (R$ 3,87 trilhões) para US$ 1,5 trilhão (R$ 8,3 trilhões) nos dois primeiros anos da pandemia.Ao mesmo tempo, a renda de 99% das pessoas caiu e mais de 160 milhões foram empurrados para a pobreza, enquanto 17 milhões morreram de Covid-19, mostra o relatório “Desigualdade Mata”.Segundo a diretora-executiva da Oxfam Brasil, Katia Maia, se os dez homens mais ricos do mundo perdessem 99,99% de sua riqueza da noite para o dia, eles continuariam mais ricos do que 99% de todas as pessoas. “Eles hoje têm seis vezes mais riqueza que os 3,1 bilhões mais pobres.”O Brasil ganhou dez novos bilionários desde março de 2020, quando a pandemia chegou oficialmente ao país.Atualmente, são 55 bilionários no país, que acumulam uma riqueza total de US$ 176 bilhões. (Folha)

IPVA caro e ICMS de combustíveis engordam caixa dos estados em 2022
Entes federativos lucram com valorização de carros usados, que subiram o dobro da inflação.Após um 2021 de inflação elevada, alimentada pela alta dos combustíveis, e de disparada dos preços de veículos usados, os impostos que pesam no bolso dos motoristas devem ajudar a engordar os caixas dos estados neste ano.Quando se olha apenas para quanto os estados embolsaram com o IPVA , a alta de é de 2,25% (ainda sem o efeito da alta dos usados em 2021), totalizando R$ 50 bilhões no ano passado.No caso do ICMS total sobre combustíveis, petróleo e lubrificantes, a variação é de 30,3% no período, um total de R$ 104,8 bilhões. E, para este ano, as perspectivas são de novas altas na arrecadação com os dois tributos.Juntos, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Bahia representavam 73% de todos os autoveículos em circulação no país no ano passado, incluindo também os isentos de IPVA, segundo o Sindipeças.A Sefaz estima que a arrecadação com o imposto atinja R$ 21,8 bilhões em 2022, vindo de um patamar de R$ 18,53 bilhões —um aumento de 15%.A alíquota permanece em 4%, mas, em razão dos efeitos negativos da pandemia e da inflação —que fechou o ano passado em 10,06%—, o valor de mercado dos veículos subiu 22,54%, em média, segundo a pesquisa anual feita pela Fipe. (Folha)

Vendas online batem as dos shoppings centers na pandemia
Empurrado pelo isolamento social, e-commerce fechou ano com R$ 260 bi e shoppings, R$ 175 bi. Estudo da gestora Canuma Capital mostra que, no ano passado, as vendas online atingiram R$ 260 bilhões, avanço de R$ 160 bilhões em relação a 2019, quando não havia a covid-19. Já os shoppings faturaram cerca de R$ 190 bi naquele ano e a previsão é que tenham fechado 2021 com R$ 175 bilhões. Segundo a gestora, os dados alertam para o desafio de solidificar a digitalização das vendas. (Estado)

Brasileiro bebe mais, faz menos exercício e vê crescer obesidade
Hábitos prejudiciais Estudo vê alta no consumo de comida ultraprocessada, como margarina e salsicha; estresse causado pela covid-19 e restrições de locomoção estão por trás desse cenário.Os efeitos da pandemia na saúde dos brasileiros são arrasadores mesmo entre aqueles que não contraíram covid-19. Pesquisa de doenças crônicas, do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde, em 2020, aponta aumento no sedentarismo, maior consumo de bebidas alcoólicas e elevação nas taxas de obesidade.Os efeitos da pandemia na saúde dos brasileiros foi arrasador, mesmo entre aqueles que não contraíram a covid-19. Durante o ano de 2020, quando o Brasil passou mais tempo em isolamento social para frear o avanço do coronavírus, houve aumento no consumo abusivo de bebidas alcoólicas e no sedentarismo entre a população brasileira, o que desencadeou a elevação da taxa de pessoas com doenças crônicas, como a obesidade. Isso é que mostra a pesquisa Doenças Crônicas e Seus Fatores de Risco e Proteção: Tendências Recentes no Vigitel, realizada pelo (IEPS). (Estado)

O Estado de S. Paulo

  • Manchete: Vendas online batem as dos shoppings centers na pandemia
  • ‘ESG será norma no futuro dos investimentos’
  • Em ano de incertezas na economia, renda fixa deve trazer oportunidades
  • ‘Vêm aí mais de 30 novos BMW, Mini e Motorrad’
  • Unidas prepara a compra de 2 mil carros elétricos este ano
  • Analistas cortam previsões para economia dos EUA
  • Governador do Piauí diz que proposta da Câmara ‘não resolve’
  • Lira critica Câmara ‘não resolve’ governadores por tributação nos combustíveis
  • Empresas dizem que valores serão discutidos
  • Socorro às distribuidoras de energia pode ficar em R$ 4,5 bilhões
  • Shoppings estão voltando ao nível de 2019, diz especialista
  • SP inicia vacinação de crianças com deficiência e comorbidades
  • Com alta demanda, SP limita testagem só a pacientes de risco
  • Restaurantes e bares de SP começam a pedir o passaporte da vacina
  • Risco de hipertensão e diabete é maior entre a população pobre
  • Brasileiro bebeu mais, ganhou peso e fez menos exercício físico na pandemia
  • Por que a economia deve sofrer ao longo do ano
  • Como o setor de marketing pode contribuir para amenizar a crise
  • A nova/sb vê fortalecimento do papel do governo no Brasil

O Globo

  • Manchete: Estados apostam em aulas de reforço e ações contra evasão
  • Alguns BCs já discutem suas próprias moedas digitais
  • Regulação e oscilação de preços são desafios para criptoativos em 2022
  • Lira critica Senado por causa do projeto do ICMS
  • Aumento da desigualdade
  • Praias cheias, mesmo com avanço da Omicron
  • Joaquim Ferreira dos Santos: O Brasil vai a júri popular

Folha de S. Paulo

  • Manchete: 79% dos brasileiros são a favor de vacinar crianças
  • Pandemia produz um bilionário a cada 26 horas, e os dez mais ricos dobram fortuna, diz Oxfam
  • Plano do estado é sério e vacinado contra análises superficiais
  • Economia deve barrar recuperação fiscal do Rio, e disputa pode ir ao STF
  • Lira cobra do Senado solução para baixar gasolina e diz que governadores miram eleição
  • IPVA caro e ICMS de combustíveis engordam caixa dos estados em 2022
  • Passe vacinai recebe aprovação final de Parlamento da França
  • Áustria recua e propõe vacina obrigatória contra Covid a partir dos 18 anos
  • Onda de calor extremo provoca incêndios e apagões na Argentina
  • Favelas do Rio criam correio comunitário para receber carta
  • Até nanopartícula de poluição altera as chuvas na Amazônia
  • Dos laboratórios privados de SP, 55% têm exame de Covid apenas para mais 7 dias
  • Centro-Oeste e Norte tiveram mais reinfecções por coronavírus
  • Em SP, vacinação de crianças começa nesta segunda-feira
  • Empresa sem experiência tem contrato para entrega de doses

Valor Econômico

Número de operadoras de saúde cai 47% e aumenta concentração
Segundo fonte do Cade, a tendência é que o órgão se torne mais rigoroso nas análises, pois o mercado está cada vez mais concentrado e a expectativa é que mais operações ocorram neste ano

BNDES entra em fundos de infraestrutura
A expectativa é que a presença do banco de fomento atraia pelo menos R$ 5 bilhões adicionais do setor privado

Avanço regional da vacinação é desafio no país
De acordo com estudo da Fiocruz, as cidades com os menores índices de desenvolvimento humano (IDH) têm, em média, percentual de vacinados 20% inferior ao de municípios mais desenvolvidos

Banco foca na renegociação de dívida
Santander e outras instituições criaram opções de parcelamento após percepção de que a inflação e os desdobramentos da pandemia têm afetado a capacidade de pagamento

Brasil e o risco de ‘tempestade perfeita’
Economista-chefe da Gávea Investimentos, Eduardo Zilberman acredita que a incerteza eleitoral e maior alta de juros nos EUA podem até levar o país a entrar em “dominância fiscal”

TJ-SP afasta seguro de vida por embriaguez
A decisão é contrária ao entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que já editou súmula sobre o tema

5G vira bandeira da indústria por ambiente de negócios melhor no país
Nova tecnologia é nova defesa da CNI, ao lado do combate à carga tributária e do excesso de burocracia do Estado

Política chinesa de covid zero ameaça as cadeias globais
País tenta conter a onda da variante ômicron e restrições adotadas pelo governo podem paralisar a produção em fábricas de vários setores

Frear temperatura global custará US$ 131 tri em 30 anos, diz estudo
Valor envolve investimentos em tecnologias relacionadas à transição energética para colocar o mundo na rota de limitar o aquecimento a 1,5°C

Lei do câmbio ajuda venda de energia em dólar
Novo marco legal traz perspectivas para que mais contratos sejam fechados em moedas estrangeiras, afirmam especialistas

Aumenta a disputa pelos “hackers do bem”
Profissionais identificam brechas de segurança em sistemas. Habilidades necessárias vão além do conhecimento técnico. “Hacker do bem” deve ter boa capacidade de comunicação e saber trabalhar em equipe

Renegociação de dívidas volta à cena com alta da inflação
Santander vê menos liquidez e lança campanha ampla; setor aborda clientes em aperto orçamentário

Presidente do INSS assina acordo para iniciar projeto-piloto de perícia médica com uso da telemedicina

No período de 13 de janeiro a 13 de abril de 2022, entidades parceiras do INSS vão poder disponibilizar, como experiência-piloto, perícias médicas remotas, por meio da telemedicina, em prefeituras municipais que possuem Acordo de Cooperação Técnica (ACT) com o Instituto. A medida cumpre decisão do TCU quanto ao enfrentamento da pandemia e está formalizada pela Portaria Conjunta INSS/SPMF 16, publicada nesta sexta (14), no Diário Oficial da União (DOU).

O termo de intenção do Acordo de Cooperação Técnica junto ao projeto-piloto de perícia médica remota foi assinado na manhã desta quinta-feira (13) pelo ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, pelo presidente do INSS, José Carlos Oliveira, e pelos representantes dos municípios participantes da experiência-piloto, em Brasília (DF).

De acordo com Oliveira, a ideia é expandir o atendimento com uso da telemedicina para todo o país, além de fortalecer a perícia médica com a tecnologia. “Hoje mais de 50% dos benefícios do INSS são afetos do benefício por incapacidade e essa ferramenta vai ao encontro do que está sendo feito no mundo, a telemedicina. Tenho certeza de que o piloto será exitoso e ampliado para os 5 mil e poucos municípios que temos no país”, destacou.

Experiência será realizada até 13 de abril em 10 municípios brasileiros.

Em sua fala, o ministro Onyx Lorenzoni complementou que a inovação também vai contribuir para compensar a perda de 10 mil colegas do INSS que se aposentaram nos últimos três anos e não foram repostos. Ao lembrar que hoje a telemedicina é uma realidade, destacou ainda que a tecnologia traz para os quase 4 mil peritos o desafio de aprimorar métodos e sistemas, ao mesmo tempo que possibilita que esses profissionais possam se multiplicar para realizar atendimentos a quilômetros de distância. “A tarefa é extremamente digna, nobre, de poder oportunizar direitos àqueles que precisam. Isso é justiça social, respeito às pessoas, valorização da vida. Três conceitos fundamentais pra que a gente tenha uma sociedade livre e democrática”, pontuou.

A Perícia Médica com Uso de Teleavaliação (PMUT) será realizada em dez (10) prefeituras municipais: Francisco Morato/SP; Minas Novas/MG; Vassouras/RJ; Santo Augusto/RS; Olhos D’Água das Flores/AL; Corrente/PI; Pedro Gomes/MS; Ji Paraná/RO; Lábrea/AM e Botas de Macaúbas/BA.

Participaram também da cerimônia de assinatura do termo o presidente da Dataprev, Gustavo Canuto, o Secretário-Executivo do Ministério do Trabalho e Previdência Adjunto, Ricardo de Souza Moreira, e o Secretário de Previdência, Leonardo Rolim, além dos deputados federais Átila Lins (PP/AM) e o Silas Câmara (Republicanos/AM).

Fonte: INSS – 14/01/2022 12h28

Manchete nos Jornais deste Sábado, 15 de Janeiro de 2022

Estados acabam com congelamento do ICMS sobre combustíveis
Comitê Nacional de Secretários da Fazenda irá manter a regra só até o fim deste mês, como previsto no início.O Comitê Nacional de Secretários da Fazenda (Comsefaz) confirmou ontem que vai encerrar o congelamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis no dia 31 de janeiro, que era a data originalmente prevista.Antes do congelamento, o ICMS incidia sobre o preço médio ponderado ao consumidor final, que é reajustado a cada 15 dias. Cada Estado tem competência para definir a alíquota. Segundo dados da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis (Fecombustíveis), ela varia entre 25% e 34% na gasolina, dependendo do Estado. Mesmo com o ICMS estagnado desde 1.º de novembro, o preço dos combustíveis continuou a subir. O preço final é composto pelo valor cobrado pela Petrobras nas refinarias (atrelado à cotação do barril do petróleo no mercado internacional e ao câmbio), mais tributos federais (Pis/pasep, Cofins e Cide) e estaduais (ICMS), além das margens de distribuição e revenda e do custo do biodiesel (para o óleo diesel) e do etanol (gasolina). Persistência Apesar da alíquota inalterada, preços da gasolina e do diesel continuaram subindo. (Estado)

Estatais devem perder contratos por descumprir marco legal
Sete empresas controladas por governos estaduais não provam que têm capacidade de investimento para universalizar serviço de água e esgoto; todas são no Norte e Nordeste.Sete empresas do Norte e do Nordeste não provaram ter capacidade para universalizar serviço de água e esgoto.Sete empresas estaduais de saneamento correm alto risco de perder seus contratos com municípios onde operam, o que irá obrigar prefeituras a procurarem outras alternativas para o atendimento de serviços de água e esgoto. O cenário abre caminho para a atuação de empresas privadas, um dos objetivos do marco legal do saneamento. (Estado)

O teto e a reforma trabalhista
O objetivo do teto de gastos foi dar credibilidade à política fiscal, após os descalabros fiscais do governo Dilma Rousseff. O teto é importante por duas razões. Primeiro porque, se os gastos atingirem o teto, qualquer aumento de receita somente poderá ser utilizado para reduzir despesas ou a carga tributária, o que torna a dívida automaticamente sustentável.É por esta razão que, uma vez aprovado o teto, as taxas de juros demandadas pelos investidores para financiar a dívida pública do Brasil caiu de 20% ao ano, em média, para níveis próximos a 7% ao ano. A mudança do teto implementada em 2021 gerou forte aumento destas taxas.
O segundo objetivo é forçar o governo a definir prioridades no Orçamento. Quando o teto é atingido, qualquer aumento de gasto terá de ser compensado por uma redução em outro gasto. O resultado é mais racionalidade e menos desperdício de dinheiro público.Quanto à reforma trabalhista, os dados refutam as afirmações do ex-presidente. Entre 2012 e 2014, a taxa de desemprego caiu de 7,5% para 6,5% da força de trabalho. Com a forte recessão que se seguiu, esta taxa subiu para 13,5% no final de 2016. A partir de 2017, quando a reforma foi aprovada, caiu sistematicamente, atingindo 11,5% no início de 2020.Com a pandemia, o desemprego foi a 14,9% no início de 2021, quando entrou em queda acentuada, chegando a 12,1% no trimestre encerrado em outubro. É a maior queda da taxa de desemprego da série histórica. Em 2021, foram gerados cerca de 10 milhões de postos de trabalho, 35% com carteira assinada, 35% trabalhadores por conta própria, 60% com CNPJ.Não seria honesto afirmar que este bom desempenho é resultado da reforma. Porém, também não é honesto afirmar que a reforma não teve efeito sobre a geração de empregos no País. (Estado)

Mercado não pode ditar a pauta, diz Lula a economistas (grifo:O que podemos esperar? Ruína como está na Argentina).Pré-candidato se reúne com economistas que vão elaborar plano de governo.Lula aponta fome, desemprego, inflação, saúde e educação como pautas prioritárias e inclui a defasagem salarial como problema a ser enfrentado. (grifo: O mercado paga seus impostos para estes programas, o que falta é uma reforma administrativa e o combate a corrupção. O resto é uso político, fadado ao engano e no futuro o arrependimento de quem acredita.) (Folha)

Governo discute retomar fundão eleitoral de R$ 5,7 bi
Congresso aprovou R$ 4,9 bilhões para o fundo no Orçamento, mas Executivo avalia valor maior baseado em diretrizes orçamentárias.Auxiliares do presidente entendem que é necessário ampliar o valor por ter sido previsto em determinação da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias).Caso contrário, a interpretação é a de que o chefe do Executivo correria o risco de ser acusado de descumprir a legislação. (Folha)

Com 1 ano de vacina, país volta a viver alta de casos
Bolsonaro continua a retardar vacinação, que no entanto evita escalada de mortes.No momento em que se completa um ano do início da vacinação contra a Covid, o país volta a viver um quadro de algumas semelhanças com o de janeiro de 2021.O ano vacinal demonstrou algo já comprovado por estudos: os imunizantes são seguros e eficazes para os mais diversos grupos. A cepa ômicron, assim como a gama no início de 2021, tem levado a uma disparada de casos, mas agora o número de mortes é bem menor.O ano de vacinação jogou mais luz sobre algo que já era comprovado por estudos: as vacinas são seguras e eficazes para os mais diversos grupos.“O objetivo delas foi diminuir mortalidade e hospitalização. Todas elas cumpriram muito bem esse papel”, afirma Stucchi.Por aqui, até mesmo o impacto da delta —altamente transmissível e que fez estragos em outras nações— foi relativamente pouco sentido, apesar da presença maciça da variante no país.A nova variante deixou claro algo que muito se pesquisava e especulava sobre as vacinas disponíveis: elas, sem dúvida, dificultam a transmissão, mas não necessariamente conseguem impedi-la. “Ela é transmissível demais e não poupa vacinados”, diz Kfouri.Para o segundo ano vacinal contra Covid, o diretor SBIm espera que, possivelmente, todos acabem tendo que tomar alguma dose a mais.Ao mesmo tempo, vacinas atualizadas com cepas dominantes do Sars-CoV-2 e ainda mais efetivas para conter a transmissão devem surgir. Para que as campanhas vacinais tenham sucesso de forma ainda mais robusta dentro dos países, entidades e especialistas têm alertado que é necessária uma distribuição mais igualitária dos imunizantes pelo mundo. (Folha)

O Estado de S. Paulo

  • Manchete: Falta de médicos já prejudica atendimento em redes de saúde
  • Não é por acaso que é secreto
  • Corrida maluca por benefícios (meu pirão primeiro)
  • É urgente ampliar a vacinação
  • Tribunal de Justiça de SP triplica limite do auxílio-saúde destinado aos magistrados
  • Moro é desafiado a debater sobre Lava Jato e provoca Lula
  • Varejo tem alta de 0,6% em novembro, mostra IBGE
  • Bolsonaro pressiona Guedes por correção do IR
  • Empresários pedem retomada de benefício a exportadores
  • Estados confirmam o fim do congelamento de ICMS
  • ‘Operadora virtual cresce a partir da ineficiência das teles’
  • Burnout ganha status de doença ocupacional e eleva o papel do empregador
  • Gestora de investimentos BlackRock chega à marca de US$ 10 tri em ativos
  • Debate eleitoral e questão fiscal preocupam segmento
  • Construção civil perde fôlego e deve crescer só 2% este ano
  • Companhias admitem que ainda estão fora da regra e buscam ajuste
  • Estatais de saneamento devem perder contratos por descumprir marco legal
  • Morre o poeta que lutou pela natureza e pelos direitos humanos
  • Metade das cidades não recebeu ajuda federal para testes de covid
  • Saúde deve indicar nova coordenadora de vacinação após 6 meses
  • SP prevê vacinar crianças sem comorbidades a partir de fevereiro
  • ‘O vírus da covid-19 não é bobo’, diz especialista

O Globo

  • Manchete: País inicia vacinação infantil; ritmo vai acelerar até março
  • Governo avalia restabelecer fundo eleitoral de R$ 5,7 bi
  • Orçamento: pressão do Congresso motivou decreto
  • Moro testa positivo para a Covid e faz isolamento na pré-campanha
  • Cheque cai no esquecimento e uso diminui 93,4%
  • Next, do Bradesco, passa de dez milhões de clientes
  • Estados vão descongelar valor de ICMS de combustível
  • UnitedHealth, dona da Amil, pretende vender toda a operação no país
  • Oportunidades digitais além das criptomoedas
  • ‘Nossos filhos deveriam viver num mundo limpo’
  • É melhor prevenir
  • Em menos de 24 horas, cinco ciganos mortos na BA
  • Porto Alegre tem recorde de calor, mas interior do RS sofre mais
  • ‘É muito difícil você tirar as pessoas de onde elas já moram’
  • Atalho estadual
  • Fiocruz deve pedir registro de teste em duas semanas
  • Ao menos 16 capitais exigem ‘passaporte’ em locais públicos

Folha de S. Paulo

  • Manchete: Com 1 ano de vacina, país volta a viver alta de casos
  • Decreto de Bolsonaro dá a largada para novo socorro a distribuidoras de energia
  • Combustível volta a encarecer após oito semanas de queda
  • Estados descongelam ICMS, e gasolina pode subir R$ 0,027 em SP
  • Mercado não pode ditar pauta econômica, diz Lula
  • Empreendimentos devem enfrentar ano desafiador
  • Vendas do comércio colaboram para alta da Bolsa
  • Perdas do agro com estiagem no RS podem passar de R$ 19 bi
  • Black Friday da comida sustenta varejo em novembro e aponta retomada frágil
  • Paraisópolis prepara novo plano contra o coronavírus
  • Com onda de calor, estiagem preocupa mais do que máximas no Rio Grande do Sul
  • Alta nos casos de Covid em SP esvazia programação cultural
  • Rio de Janeiro cancela cirurgias por falta de médicos e enfermeiros
  • Número de profissionais de saúde afastados dobra em SP
  • SP começa a vacinar crianças e prevê conclusão até março
  • Um ano depois, população do AM lembra da falta de oxigênio
  • Anvisa quer liberar autoteste de coronavírus nos próximos dias
  • Governo Bolsonaro discute volta do fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões
  • TJ-SP triplica auxílio-saúde para magistrados
  • Sergio Moro anuncia que está com Covid e desmarca compromissos

Manchete nos Jornais desta Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2022

PEC do Calote vira alvo no STF em ação de OAB, juízes e sindicatos
A flexibilização do pagamento de dívidas da União reconhecidas pela Justiça, decorrente da PEC (proposta de emenda à Constituição) dos Precatórios, ou do Calote, passou a ser questionada no STF, OAB e Sindicatos. (Folha)

STF alerta governo sobre risco jurídico de conceder aumento só para policiais
Dar reajuste a uma única categoria pode deflagrar enxurrada de ações e levar corte a estender medida a todos os servidores, dizem ministros. (Folha)

INSS suspende perícia para revisão do auxílio-doença após alta de casos de Covid
O INSS suspendeu a realização das perícias para revisão do auxílio-doença, em razão do aumento de casos de Covid-19 no país. A decisão foi publicada no Diário Oficial nesta terça (11) (Folha)

Internações crescem nos Estados; SP faz plano de contingência
Capital paulista reserva 1,1 mil leitos para covid.O aumento das hospitalizações ocorre após as festas de fim de ano e em meio ao avanço das contaminações pela variante Ômicron. Especialistas alertam para a necessidade de planejamento da assistência hospitalar. (Estado)

Bolsonaro dá ao centrão poder para executar Orçamento
Decreto prevê que Casa Civil, chefiada por Ciro Nogueira, deve avalizar mudanças nos gastos; ato é revés para Guedes.A medida de Jair Bolsonaro (PL) é vista dentro do governo como um “filtro político” para assegurar o cumprimento de acordos envolvendo distribuição de recursos, inclusive emendas parlamentares, em ano eleitoral.No fim de 2021, o episódio de falta de verbas para honrar acertos com congressistas acirrou os ânimos entre a Economia e a ala política.Técnicos da área econômica admitem desconhecer precedentes da participação da Casa Civil nessa atribuição, que envolve alocação de limites financeiros e recursos nos ministérios. (Folha)

2021 foi o 6º ano mais quente da história, declaram agências dos EUA
O ano de 2021 foi o sexto mais quente já registrado na história, de acordo com dados divulgados conjuntamente nesta quinta-feira (13) pela Nasa, e pela Noaa, a agência de administração oceânica e atmosférica dos EUA. A medição da Noaa apontou elevação na temperatura média global de 0,84ºC no ano passado, enquanto a Nasa constatou 0,85ºC.As comparações, que partem de diferentes modelos e linhas de base, são feitas em relação ao padrão encontrado na era pré-industrial. (Folha)

Seca e calor impõem perdas de R$ 45 bi no Sul e no Centro Oeste
INFLAÇÃO. Em entrevista ao Estadão na terça-feira, o economista André Braz, da Fundação Getúlio Vargas, disse que esses eventos climáticos devem pesar na inflação neste início de ano. “Esse calor extremo no Sul pode afetar as lavouras de ciclo mais longo, o que pode diminuir a contribuição da agricultura para conter a inflação de 2022.”
Lavouras de soja e milho, principais grãos exportados pelo Brasil, são as mais atingidas em RS, PR, SC e MS.
Uma onda de calor castiga lavouras nos Estados de RS, PR, SC e MS. Soja e milho são as culturas mais afetadas.
Enquanto centenas de cidades de Minas Gerais e Goiás enfrentam enchentes e inundações, a onda de calor e a seca castigam as lavouras e já deixam um prejuízo de R$ 45,3 bilhões nos Estados do Rio Grande do Sul, do Paraná, de Santa Catarina e de Mato Grosso do Sul.A soja e o milho, principais grãos da pauta de exportações brasileiras, são as culturas mais atingidas. Somente para os produtores gaúchos, as perdas podem ultrapassar R$ 19,7 bilhões, segundo estudo da (Feco-Agro). As perdas equivalem a 27% do (VBP) agrícola do Estado no ano passado, de R$ 73,5 bilhões. Foi um ano de produção excepcional. Em relação à média dos três últimos anos, o porcentual da perda sobe para 41%.No Paraná, as perdas nas lavouras de soja e milho são estimadas em R$ 22,5 bilhões devido à estiagem, e já causaram um impacto de 37% na produção agrícola. Em 2020, segundo o (Deral), o VBP atingiu R$ 60,4 bilhões, incluindo fruticultura e plantas ornamentais. O impacto é ainda maior se for considerada somente a produção de soja e milho, que atingiu valor de R$ 31,7 bilhões.
Em Santa Catarina, o valor bruto da produção agrícola foi de R$ 11,55 bilhões em 2020, incluindo frutas e tabaco, segundo a Secretaria da Agricultura. Só milho e soja renderam receita bruta de R$ 4,32 bilhões – neste ano, o Estado já teve perda de R$ 1,5 bilhão.Com perda de R$ 1,6 bilhão nas lavouras de soja, Mato Grosso do Sul teve o menor impacto, já que o VBP dessa cultura foi de R$ 22,6 bilhões em 2020. No total, o VBP do agronegócio, incluindo carne, madeira e cana-de-açúcar, atingiu R$ 65,13 bilhões, segundo a Secretaria da Agricultura.Ontem, os termômetros passaram dos 40ºC em cidades como Quaraí, Uruguaiana e Bagé (RS), de acordo com o (Inmet). Das 20 maiores temperaturas registradas em 24 horas no Brasil, 18 foram em municípios do Rio Grande do Sul, e uma em Foz do Iguaçu, no Paraná (36,8ºC)
Até a tarde da quarta-feira ao menos 200 municípios gaúchos e as 79 cidades sul-mato-grossenses tinham decretado situação de emergência devido à seca, segundo a Defesa Civil. Os produtores rurais pedem rolagem de dívida e linhas de crédito sem juros. (Estado)

O Estado de S. Paulo

  • Manchete: Internações crescem nos Estados; SP faz plano de contingência
  • MacKenzie Scott faz doação para ONG do Brasil
  • ‘Espera por trator novo pode variar de 6 a 12 meses’
  • UnitedHealth tenta vender a Amil dez anos após aquisição
  • Ministério Público critica redução do isolamento
  • Guedes atrela Refis à aprovação de reforma do IR no Senado
  • TCU vê risco de reajuste ‘expressivo’ da energia
  • Dois fenômenos juntos causam diferentes impactos pelo País
  • Seca e calor no Sul e Centro-Oeste causam perdas de R$ 45 bi ao agro
  • Bolsonaro esvazia Guedes e entrega controle do Orçamento à Casa Civil
  • Ômicron faz pandemia bater recordes na América Latina
  • Deslizamento em morro no centro de Ouro Preto destrói casarões históricos
  • Sorocaba coloca 700 mil moradores em rodízio de fornecimento de água
  • Brasileiros enfrentam saga para conseguir realizar teste de covid
  • Cidade de SP iniciará na segunda-feira a vacinação de crianças
  • Pacientes internados mais que dobram na rede particular
  • Alta de hospitalizações começou em dezembro após meses de queda
  • Moro faz investida em reduto eleitoral do PSDB paulista
  • TJ de Mato Grosso do Sul gasta até R$ 2 mi por mês com ‘auxílio-transporte’ para magistrados
  • ‘São Paulo é o Estado que mais rejeita Lula e Bolsonaro’
  • Desperdício do bônus demográfico
  • Bolsonaro quer aprovar pacote de bondades para PMs e bombeiros

O Globo

  • Manchete: Bolsonaro dá mais poder a líder do Centrão sobre o Orçamento
  • Dobram afastamentos por problemas respiratórios e Covid
  • Bolsonaro diz que é preciso atender o Rio e o passageiro
  • Fake news nas redes preocupam para eleições de 2022
  • Governo avalia reduzir incentivo a refrigerantes
  • Paes quer transformar o Rio em hub de criptomoeda
  • Por agentes autônomos, Itaú compra corretora
  • Para governo, crise com FMI continua, após fechamento de escritório
  • Ministros do STF alertam sobre reajustes em cascata
  • Seca no Sul é o segundo evento climático extremo do verão
  • A solução das cidades para preservar a Mata Atlântica
  • Temor depois da perda
  • UTIs Covid têm alerta de ocupação em oito estados
  • Ômicron, o divisor de águas
  • Moro diz a evangélicos ser ‘conservador moderado’

Folha de S. Paulo

  • Manchete: Bolsonaro dá ao centrão poder para executar Orçamento
  • Ex-mulher de Jeff Bezos, MacKenzie Scott doa R$ 4,2 mi a ONG brasileira
  • Inflação ‘importada’ domina alta de preços pela primeira vez
  • Digitalização de empresas puxa alta de 2,4% nos serviços
  • Teto de gastos impede descontrole fiscal, fez país crescer e não deve mudar
  • Falha em sistema nega benefício para segurado doente
  • Auxílio extra de até R$ 3.000 é depositado pela Caixa a pais solteiros
  • INSS suspende perícia para revisão do auxílio-doença após alta de casos de Covid
  • STF alerta governo sobre risco jurídico de conceder aumento só para policiais
  • PEC do Calote vira alvo no STF em ação de OAB, juízes e sindicatos
  • Covid causou a morte de 96 moradores de rua em SP
  • Óbitos em chacinas na região metropolitana do Rio crescem 50% em 1 ano
  • Ribeirinhos são mortos em área de desmatamento no PA
  • Terra desliza de morro após chuvas e destrói casarão histórico no centro de Ouro Preto
  • Pandemia acelera oferta de serviços públicos digitais
  • 2021 foi o sexto ano mais quente já registrado, dizem agências dos EUA
  • Hospitais e laboratórios reservam testes apenas para pacientes graves
  • Manaus vive explosão de Covid um ano após colapso
  • Curso da ômicron no Reino Unido pode indicar como será no Brasil
  • Foto legenda: Brasil recebe primeiro lote da vacina pediátrica da Pfizer contra a covid-19
  • Capital paulista prevê vacinar crianças a partir de segunda
  • Estados adotam estratégias diferentes de vacinação infantil
  • Diagnóstico de Covid em crianças dispara em hospitais de São Paulo
  • Podemos foca campanha no Sul e Sudeste e quer MBL para Governo de SP
  • Farinha pouca, meu pirão primeiro: Jerson Kelman
  • Brasil assume liderança de aliança internacional antiaborto: Sonia Corrêa e Gustavo Huppes

Valor Econômico

Cresce importância da China nas exportações brasileiras
De acordo com o Icomex, o volume exportado pelo Brasil ao país asiático cresceu mais de 360% em 2021 contra 2008; em sentido oposto, a quantidade embarcada aos EUA caiu 18,6%

Casa Civil ganha poderes sobre Orçamento
Em termos institucionais, decisão de fazer ajustes no Orçamento Geral da União deixa de ser uma atribuição do Ministério da Economia e migra para dentro do Palácio do Planalto

Fundo saudita e BRF unem-se na área de frangos
A operação é parte da estratégia da dona das marcas Sadia e Perdigão de ampliar sua presença em outros mercados do Golfo Pérsico; os investimentos na joint venture serão de US$ 350 milhões

Brasil tem quase 100 mil casos de covid-19 em 24h
Segundo a Fundação Oswaldo Cruz, um terço dos Estados e dez capitais do país estão em situação de alerta ou crítica

Reforma trabalhista e a eleição na OIT
Governo de Jair Bolsonaro tende a apoiar um candidato mais identificado com os empregadores

No mundo, planos variam de diques a impostos
Exemplos de cidades no mundo que transformam ruas em corredores verdes e protegem as centrais elétricas das mudanças do clima

Serviços surpreendem, mas fôlego preocupa
Economistas creem que após alta de 2,4% em novembro setor arrefeça com ômicron, inflação e desemprego

STF teme enxurrada de ações de servidores por reajuste
Ministros do Supremo temem que assunto desgaste o tribunal

Média de casos de covid é a maior em 7 meses
Registros da doença não param de subir e semana tem mais de 60 mil infecções diárias com 190 mortes

Bancos relatam aumento de pessoal infectado e fecham porta de agência
Fechamentos podem durar algumas horas ou até um dia inteiro, dependendo do tamanho da agência, e servem para higienizar local quando há contaminação

Diagnósticos em crianças disparam, enquanto casos de gripe diminuem
Apagão de dados do Ministério da Saúde impede o acompanhamento nacional de registros de covid no público infantil

Moro descarta CPMF e diz que Pastore é único porta-voz sobre economia
Ex-ministro negou que aumento de impostos esteja no programa econômico

Hostilidade cresce entre os vacinados e os não
A polêmica envolvendo o tenista Novak Djokovic expôs a hostilidade crescente entre vacinados e não vacinados

China estoca itens essenciais por tensão com EUA
A China também detalhou planos para reservar terras aráveis para o cultivo de soja, cultura que abandonara quase completamente depois de sua entrada na OMC em 2001

Justiça barra iniciativa de vacinação de Biden
A maioria dos juízes da Suprema Corte (6 a 3) entendeu que o governo Biden extrapolou sua autoridade ao impor as regras de vacinação e testagem contra covid-19 às empresas

Anac amplia tolerância para voos atrasados
A medida, de caráter temporário, vale para todos os aeroportos durante a temporada do verão de 2022, que se estende de 27 de março a 29 de outubro deste ano

Justiça nega pedido da Petrobras contra liminar sobre reajuste do gás
Liminar restringe o reajuste dos preços de gás natural na renovação do contrato de suprimento no Estado do Rio

Participação do agro no total das exportações do país caiu em 2021
Embarques do setor cresceram 19,7%, para US$ 120,6 bilhões, mas peso relativo, que foi de 48,1% em 2020, passou a 43% no ano passado

Moagem de cacau volta a crescer no Brasil
Processamento aumentou 4,4% no ano passado, para 224,1 mil toneladas, e retornou a patamares de antes da pandemia segundo a AIPC

Manchete nos Jornais desta Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2022

Governo estuda permitir que Jovem Aprendiz não seja estudante
Ministério do Trabalho e Previdência fala em ‘aperfeiçoamento’ de programa, criado há 21 anos; outra proposta em estudo é deixar de atrelar remuneração ao salário mínimo.Mudança retiraria principal ponto da lei. Cota de aprendizes nas empresas e remuneração também podem mudar.O governo quer mudar o programa Jovem Aprendiz, criado há 21 anos. A ideia em discussão é remover da lei seu principal ponto, permitindo que empresas possam contratar jovens sem seguir a exigência de que todos estejam matriculados na escola. Há também estudos para flexibilizar a norma que obriga as empresas a contratar uma cota de aprendizes proporcional ao número de funcionários e a atrelar a remuneração ao salário mínimo.O Brasil tem atualmente cerca de 461,5 mil jovens aprendizes, de acordo com os dados mais recentes do Ministério da Economia. Deste total, quase a metade trabalha na indústria de transformação e no comércio. A principal função que os jovens desempenham é a de auxiliar de escritório ou assistente administrativo. Críticos das mudanças observam, porém, que o programa poderá ser descaracterizado porque empresários teriam a intenção de acabar com a cota. “Eu sou contra isso”, disse o presidente da Força Sindical, Miguel Torres. “Alguém deve estar sendo beneficiado.” A procuradora (MPT) Ana Maria Villa Real, criticou pontos específicos em debate pelo grupo de trabalho, como a exclusão das funções de nível básico, com priorização para vagas de nível técnico ou tecnólogo. “Para atender a certos interesses econômicos, o grupo também quer focar na contratação de maiores de 18 anos, subvertendo o público original do programa, que são os adolescentes mais vulneráveis. O que eles querem são trainees ou estagiários de luxo”, avaliou ela. Esta é a quarta vez, nos últimos anos, que o programa passa por modificações. A primeira foi na gestão de Michel Temer, com uma tentativa de reduzir o seu escopo. No governo Bolsonaro, foram enviadas ao Congresso propostas de mudanças com o Contrato Verde e Amarelo e o Regime Especial de Trabalho Incentivado, Qualificação e Inclusão Produtiva (Requip). As duas iniciativas foram rejeitadas pelos parlamentares. (Estado)

O BC e a inflação fora dos limites
Incertezas sobre contas públicas e seus efeitos sobre o dólar são citados mais claramente que em outras manifestações do Copom. A alta de preços em 2021 chegou a 10,06%. O centro da meta era 3,75%. O teto, 5,25%. Neste século, só o estouro de 2002, de 7,03 pontos porcentuais, foi maior que o do ano passado, de 4,81 pontos. Faltou explicar, entre outros pontos, por que os dirigentes do BC demoraram a admitir a real gravidade da inflação.Vários bancos centrais, incluído o americano, mantiveram por muito tempo a aposta em um breve surto inflacionário. O BC brasileiro participou dessa onda. O ajuste dos juros básicos para 4,25% era necessário, segundo comunicado emitido no dia 16, “para mitigar a disseminação” de “choques temporários sobre a inflação”. A mudança do jogo foi claramente explicitada na reunião de setembro, quando a taxa básica foi elevada a 6,25%. A partir daí, o aperto monetário, admitido sem restrição, deveria avançar “em território contracionista”. Nessa altura, o Copom projetava inflação em torno de 8,5% para 2021, 3,7% para 2022 e 3,2% para 2023. Os três números estavam acima das metas e o primeiro já superava com folga o limite de tolerância. Estava amplamente evidenciado o atraso do BC em admitir a persistência e a gravidade das pressões inflacionárias. No Brasil, o surto inflacionário do ano passado resultou principalmente em maiores dificuldades para famílias atormentadas por uma severa escassez de oportunidades de trabalho, no quadro de uma economia muito debilitada. (Estado)

Inflação nos EUA deve seguir alta por algum tempo ainda
Embora muitos economistas prevejam uma moderação da inflação ao longo de 2022, os americanos provavelmente estão a meses de um alívio significativo, especialmente porque a variante ômicron piora a escassez de mão de obra e impede que os produtos cheguem às lojas (Valor Econômico)

EUA registram 7% de inflação, a mais alta desde 1982
Pressão no custo de vida em economia com desemprego de apenas 3,7% aumenta expectativa de aumento nos juros. Na variação mensal, o índice de preços ao consumidor subiu 0,5% em dezembro ante novembro, após alta de 0,8% em novembro, informou o Departamento de Estatísticas do Trabalho.Economistas consultados pela Reuters previam alta de 0,4% para o índice no mês e salto de 7% na base anual.A economia americana enfrenta uma inflação alta à medida que a pandemia obstrui as cadeias de abastecimento e o país enfrenta pressões salariais. O governo americano informou na sexta-feira (7) que a taxa de desemprego em dezembro caiu para 3,9%, menor valor em 22 meses, sugerindo que o mercado de trabalho está no pleno emprego ou próximo a ele. O alto custo de vida está pesando no índice de aprovação do presidente Joe Biden. A inflação nos EUA está bem acima da meta de 2% do Fed. (Folha)

Guedes precisa de R$ 9 bi para recompor gastos subestimados
Equipe sugere cortar emendas do relator, mas orientação na base política é preservar esses recursos.Desse valor, ao menos R$ 3 bilhões devem ir para despesas com pessoal, que são obrigatórias, e quase R$ 800 milhões vão irrigar o fundo eleitoral —que chegará aos R$ 5,7 bilhões aprovados pelos parlamentares para a campanha deste ano.Outros R$ 5 bilhões foram solicitados para ampliar despesas de custeio da máquina pública que ficaram abaixo do necessário. O mais afetado é o próprio Ministério da Economia, que teve corte de 50% nas dotações orçamentárias.Os pedidos foram discutidos em reunião na terça-feira (11) entre os ministros Paulo Guedes (Economia) e Ciro Nogueira (Casa Civil) e suas respectivas equipes.De acordo com auxiliares que acompanham a discussão, o mais provável, porém, é que o veto acabe ficando abaixo dos R$ 9 bilhões. (Folha)

Brasileiro confia pouco nas pessoas; comportamento freia avanços
Na América Latina, índice é de 12,6%. Média mundial chega a 25%. Brasileiros e latino-americanos confiam menos nas pessoas do que o restante do mundo, e isso está contribuindo para o baixo desenvolvimento econômico e social da região. É o que concluiu estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID),O porcentual está abaixo da média mundial (25%) e dos países ricos que integram a OCDE (41%). O estudo analisou correlações entre a confiança e questões como níveis de produtividade, inovação e formalização do mercado de trabalho e concluiu que, quanto maior o descrédito, pior são as questões econômicas e sociais.“Os governos também precisam reduzir as assimetrias de poder, aumentando a prestação de contas e fortalecendo instituições de controle externas para que os cidadãos e empresas sintam que podem confiar nessas instituições quando forem desrespeitados por governos, empresas ou outros cidadãos”, disse o BID.Entre as sugestões estão ainda maior transparência no orçamento público e na regulação, fortalecer partidos, eleições e sociedade civil e aumentar as oportunidades de participação dos cidadãos. (Estado)

As falsas dicotomias no debate do regime fiscal
Consumidor não capta efeito da recuperação de hidrelétricas nas tarifas.Se é verdade que o governo conseguiu evitar a incidência de apagões no ano passado, também é fato que a segurança do abastecimento foi garantida a custos muito elevados. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrou o ano com variação de 10,06%, enquanto as tarifas residenciais subiram 21,21%. Nem mesmo esse aumento trará alívio na conta de luz deste ano. Depois da adoção, desde setembro, da bandeira escassez hídrica, que adiciona uma taxa de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora consumidos, o governo negocia mais um empréstimo bilionário às distribuidoras, para cobrir os gastos que foram realizados nos últimos meses. Os custos dessa operação serão pagos por meio das tarifas ao longo dos próximos anos. Segundo cálculos da Aneel), o financiamento poderá reduzir o reajuste médio projetado para 2022 de absurdos 21% para admissíveis 9,14%. “Consumimos uma energia à vista que vai ter que ser paga a prazo”, definiu o coordenador do (Gesel) da UFRJ, Nivalde de Castro.
Pode parecer incompreensível para o consumidor entender como continuará a despender tanto dinheiro com eletricidade, haja vista as tragédias que as chuvas têm causado na Bahia e em Minas Gerais. (Estado)

Além das filas, Brasil pode ter falta de kits de testes de covid
Explosão de contaminações Laboratórios priorizam casos graves e profissionais de saúde.Laboratórios informaram que estão dando prioridade a casos graves e a profissionais de saúde.Redes de farmácias estão suspendendo agendamento online de testes. O Ministério da Saúde se desvinculou do cenário de escassez de material na rede pública e atribuiu a responsabilidade pela testagem aos Estados e municípios. (Estado)

O Estado de S. Paulo

  • Manchete: Além das filas, Brasil pode ter falta de kits de testes de covid
  • Shoppings Multiplan fecham 4º trimestre com vendas de R$ 5,6 bi após Natal positivo
  • ‘Caminhões no Brasil são velhos e ineficientes’
  • Embraer fecha venda de duas fábricas em Portugal
  • Setor tenta manter usinas a carvão no Sul do País
  • TCU diz que governo foi ‘negligente’ na crise hídrica
  • Auditores da Receita já entregaram 1.288 cargos
  • Recuar é pior, diz líder da ‘bancada da bala’ sobre reajuste
  • Terminais veem prejuízo com fim do Reporto
  • Aumento de preços nos países ricos é má notícia para o País
  • Inflação no Brasil é a 3ª maior em ranking
  • Na América Latina, só 29% têm confiança nos governos
  • Brasileiro confia pouco nas pessoas e isso freia avanços, aponta estudo
  • Caixa lança linha de crédito para pescadores
  • Governo quer liberar vaga de jovem aprendiz para quem não estuda
  • Pré-cadastro para vacinação em crianças de 5 a 11 anos é aberto
  • Cidades ainda analisam cenário epidemiológico
  • São Paulo determina 70% de público em estádios e recomenda limite em eventos
  • OMS reafirma que Ômicron ‘não é leve’ após fala de Bolsonaro
  • Brasil ainda está atrás de EUA, Chile e europeus na aplicação da dose de reforço
  • Mendonça indica levar ao plenário ação sobre fundo eleitoral
  • Bolsonaro põe fim à trégua com STF e liga ministros à candidatura de Lula

O Globo

  • Manchete: Falta de insumo já provoca escassez de testes de Covid
  • Com chuva, bandeira de Escassez Hídrica deve ser mantida
  • TCU aponta falhas do governo na crise hídrica
  • Reajuste de plano de saúde deve ser de 15%, diz BTG
  • Avanço da Ômicron afeta de construtoras a serviços públicos
  • Estados avaliam descongelar ICMS sobre combustíveis
  • Mudança de rota
  • Governo reduz verba para intervenção cardíaca
  • G7 da CPI fala em possível sabotagem dos sistemas
  • Pelo menos 15 estados seguem sem acesso a redes de dados
  • Compostos da cannabis podem dificultar ação do coronavírus

Folha de S. Paulo

  • Manchete: Ômicron lota postos em SP e desfalca equipes médicas
  • Mendonça leva ação contra fundão ao plenário do STF
  • Ex-juiz se encontra com especialistas em SP e ouve propostas para o Judiciário
  • Luz continuará cara mesmo com reservatórios mais cheios
  • Teto de gastos é uma ficção e serviu para cortar os investimentos do país
  • Governo prepara portaria que oficializa redução do tempo de licença
  • Voos cancelados por Covid no Brasil se aproximam de mil
  • Ibovespa acumula valorização em 2022 pela primeira vez
  • EUA têm inflação de 7%, a maior desde 1982
  • Bolsonaro atribui alta de preços ao ‘fique em casa’
  • Inflação de 10,06% no Brasil fica entre as mais altas do mundo em 2021
  • Servidores de ao menos 19 categorias podem parar por reajuste
  • Economia quer vetar R$ 9 bilhões em despesas para cobrir Orçamento
  • Em meio a estiagem, municípios gaúchos decretam emergência
  • Mais cinco pessoas morrem por causa das chuvas em Minas Gerais
  • OMS afirma que não é hora de dizer que variante é desejável
  • Bolsonaro minimiza ômicron e sugere que cepa é ‘bem-vinda’
  • Só pacientes graves devem fazer teste de Covid, diz associação
  • Colapso da saúde em Manaus completa um ano
  • SP terá pré-cadastro para vacinação do grupo de 5a11 anos
  • Doria reduz em 30% público no Campeonato Paulista e pede que prefeituras limitem eventos

Valor Econômico

  • Marketplaces endurecem condições para os lojistas
    As mudanças devem encarecer o preço final ao consumidor, em um momento em que a inflação do segmento digital já supera a taxa oficial
  • Soluções inteligentes para preservar a biodiversidade
    A natureza e a biodiversidade devem estar no centro da estratégia de desenvolvimento de novos mercados e novos modelos de negócio
  • Hospitais e laboratórios limitam teste de covid
    Raia Drogasil cancela agendamentos on-line de exames devido à falta de estoque
  • Brasil poderá punir país que ‘apela no vazio’
    MP em análise autoriza o Executivo a retaliar, de forma proporcional e unilateral, o país derrotado em contencioso na OMC que recorre ao Órgão de Apelação, atualmente inoperante
  • China sente ‘efeito dominó’ por colapso da Evergrande
    Governos municipais e regionais perderam boa parte de sua receita e não conseguem fechar as contas
  • Incertezas pressionam o juro real
    As taxas das NTN-Bs se mantêm acima de 5,5% em vencimentos mais longos, o que reflete uma insegurança elevada à frente; em 2019, esse juro ficou abaixo de 3,5%
  • Mais risco
    Economista-chefe do banco Citi no Brasil, Leonardo Porto, analisa os efeitos econômicos da variante ômicron com potencial para pressionar um PIB já pouco promissor para 2022
  • Os quatro cavaleiros do apocalipse digital
    Ameaças são cibercrime, “dark web”, “fake news” e falta de privacidade
  • Planejamento e operação elétrica devem seguir mudanças climáticas
    Setor elétrico vai precisar de uma análise de cenários, diz estudo do Acende Brasil
  • Novo cenário deixa de fora térmicas mais caras
    Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, porém, decidiu manter neste ano medidas excepcionais adotadas em 2021, durante a crise hídrica
  • Protesto de servidor promete reunir ao menos 46 categorias
    Cálculo inclui funcionários públicos dos três Poderes
  • Governo discute tratar pandemia como endemia
    Governo pretende reduzir de 14 para 7 dias o período de afastamento do trabalho por covid-19
  • Inflação nos EUA deve seguir alta por algum tempo ainda
    Embora muitos economistas prevejam uma moderação da inflação ao longo de 2022, os americanos provavelmente estão a meses de um alívio significativo, especialmente porque a variante ômicron piora a escassez de mão de obra e impede que os produtos cheguem às lojas
  • Pressão inflacionária se atenua na China
    A queda na inflação ficou em linha com as expectativas dos economistas, após a ação do governo central chinês para aliviar as rupturas na oferta e estabilizar o crescimento
  • Caixa terá linhas de crédito para pescadores artesanais dentro do Pronaf
    Programas não têm volume definido e devem operar de acordo com a demanda; juros serão a partir de 3% ao ano
  • Inflação no mundo faz biodiesel ‘encolher’
    Governos de diferentes países reduzem mistura ao diesel e extinguem programas de estímulo
  • STJ obriga planos a fornecerem remédios sem registro da Anvisa
    Pelo menos quatro recentes decisões, da 3ª e 4ª Turmas, são favoráveis a pacientes

Governo estuda permitir que Jovem Aprendiz não seja estudante

Ministério do Trabalho e Previdência fala em ‘aperfeiçoamento’ de programa, criado há 21 anos; outra proposta em estudo é deixar de atrelar remuneração ao salário mínimo

Mudança retiraria principal ponto da lei. Cota de aprendizes nas empresas e remuneração também podem mudar.

O governo quer mudar o programa Jovem Aprendiz, criado há 21 anos. A ideia em discussão é remover da lei seu principal ponto, permitindo que empresas possam contratar jovens sem seguir a exigência de que todos estejam matriculados na escola. Há também estudos para flexibilizar a norma que obriga as empresas a contratar uma cota de aprendizes proporcional ao número de funcionários e a atrelar a remuneração ao salário mínimo.

O Brasil tem atualmente cerca de 461,5 mil jovens aprendizes, de acordo com os dados mais recentes do Ministério da Economia. Deste total, quase a metade trabalha na indústria de transformação e no comércio. A principal função que os jovens desempenham é a de auxiliar de escritório ou assistente administrativo.

Procurado pelo Estadão/broadcast para explicar as mudanças, o Ministério do Trabalho e Previdência afirmou que instalou um grupo de trabalho, em dezembro do ano passado, para definir propostas de “aperfeiçoamento” do programa, em conjunto com representantes dos trabalhadores e dos empregadores. De acordo com o ministério comandado por Onyx Lorenzoni, a expectativa é a de que o grupo termine os debates em março. A próxima reunião está marcada para o dia 18.

Críticos das mudanças observam, porém, que o programa poderá ser descaracterizado porque empresários teriam a intenção de acabar com a cota. “Eu sou contra isso”, disse o presidente da Força Sindical, Miguel Torres. “Alguém deve estar sendo beneficiado.”

VAGAS. Sancionada no fim de 2000, no governo de Fernando Henrique Cardoso, a Lei do Aprendiz determina que empresas consideradas de médio e grande porte devem reservar vagas para adolescentes e jovens de 14 a 24 anos, sem idade máxima para os aprendizes com deficiência. A cota de vagas é de, no mínimo, 5% e de, no máximo, 15% do quadro de funcionários.

Os contratos podem durar até dois anos, e a remuneração mínima precisa ser equivalente ao salário mínimo proporcional às horas trabalhadas, em uma jornada que não pode superar as 6 horas diárias. Além disso, as empresas devem recolher 2% da remuneração para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviços (FGTS), e não os 8% dos contratos normais de trabalho.

Além da anotação na carteira de trabalho, a lei exige a “matrícula e frequência” do aprendiz na escola pelo menos até a conclusão do ensino fundamental. Para aqueles que cursaram até o nono ano escolar, determina a inscrição em um programa de aprendizagem técnico-profissional.

Para o Ministério Público do Trabalho, as mudanças em estudo na aprendizagem dos jovens acabam com uma das principais funções do programa, que é justamente o combate ao trabalho infantil e à evasão escolar. “Essa é uma matéria muito cara para a fiscalização do trabalho, na prevenção e erradicação do trabalho infantil. O programa de aprendizagem foi criado para trazer uma infância protegida, com garantia de estudo, com renda, e com qualificação profissional”, disse a coordenadora nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente do Ministério Público do Trabalho (MPT), Ana Maria Villa Real.

A procuradora criticou pontos específicos em debate pelo grupo de trabalho, como a exclusão das funções de nível básico, com priorização para vagas de nível técnico ou tecnólogo. “Para atender a certos interesses econômicos, o grupo também quer focar na contratação de maiores de 18 anos, subvertendo o público original do programa, que são os adolescentes mais vulneráveis. O que eles querem são trainees ou estagiários de luxo”, avaliou ela.

Dados de 2021 mostram que mais de 60% dos aprendizes contratados têm menos de 18 anos. “Os ataques ao jovem aprendiz partem de uma ala mais velha da classe empresarial e da burocracia estatal. Se uma empresa tem problemas com o Jovem Aprendiz, significa que ela tem problemas muito maiores do que isso. O programa é uma solução para a evasão escolar, a violência e o desemprego”, disse o CEO do Centro de Integração Empresa-escola (Ciee), Humberto Casagrande, que estima potencial de 17 milhões de vagas para o programa no País, com as regras atuais.

Esta é a quarta vez, nos últimos anos, que o programa passa por modificações. A primeira foi na gestão de Michel Temer, com uma tentativa de reduzir o seu escopo. No governo Bolsonaro, foram enviadas ao Congresso propostas de mudanças com o Contrato Verde e Amarelo e o Regime Especial de Trabalho Incentivado, Qualificação e Inclusão Produtiva (Requip). As duas iniciativas foram rejeitadas pelos parlamentares. •

“Ataques ao Jovem Aprendiz partem de uma ala mais velha da classe empresarial e da burocracia estatal.”

Humberto Casagrande

CEO do Centro de Integração Empresa-escola

Fonte: O Estado de S. Paulo por: VERA ROSA EDUARDO RODRIGUES 13.01.2022

Manchete nos Jornais desta Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2022

Após maior inflação em 6 anos, novo estouro da meta é previsto
IPCA de 2021 foi de 10,06%, puxado por combustível, gás e energia.A inflação oficial do País fechou 2021 em 10,06%, o maior índice desde 2015, ainda no governo Dilma Rousseff. O IPCA foi puxado principalmente pelos reajustes de preços de combustíveis, gás de cozinha e energia elétrica, itens que tiveram maior peso na formação do índice. A meta para o ano, perseguida pelo Banco Central, era de 3,75% e o teto de tolerância, de 5,25%. Para este ano, a perspectiva inicial é de arrefecimento dos preços, mas o centro da meta de inflação, de 3,5%, não deverá ser alcançado. Boa parte dos economistas enxerga o teto de tolerância, de 5%, como o piso. Entre os fatores que levaram ao estouro da meta, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, citou a pandemia e destacou que a aceleração inflacionária foi um fenômeno global. “BC tem calibrado a taxa básica de juros, e continuará a fazê-lo”Campos Neto, presidente do BC. (Estado) – (grifo: LEMBRANDO: “Inflação nos países ricos atinge maior nível em 25 anos. OCDE registrou grande variação entre os países e, enquanto os EUA chegaram a 6,8%, a alta no Japão foi de 0,6%” Valor Econômico.)

Nível de reservatórios melhora, mas não alivia conta de luz
Energia Armazenamento em recuperação Volume de chuva desde outubro afasta o País do quadro da maior crise hídrica em 91 anos; comitê avalia hoje situação.Volume de chuva desde outubro tirou o País da maior crise hídrica em 91 anos, mas como a situação ainda não é de conforto, a previsão é de que as tarifas continuem altas.
As chuvas registradas em diversas regiões desde meados de outubro já se refletem no nível de armazenamento dos principais reservatórios do País, mas ainda é cedo para assumir uma postura de “tranquilidade” para o setor elétrico, dizem especialistas.Já para os consumidores, a melhora não deve ser perceptível nos próximos meses, pois não resultará em um alívio imediato nas contas de luz. A previsão é de que as tarifas vão continuar pesando no bolso dos brasileiros. (Estado)

Combustível volta a subir e alta do diesel chega a 8%
Petrobras faz reajuste de 4,85% para gasolina nas refinarias. A Petrobras anunciou ontem novo reajuste da gasolina e do óleo diesel para as distribuidoras. A gasolina ficará R$ 0,15 mais cara (alta de 4,8%), enquanto o diesel subirá R$ 0,27 (mais 8%)
(grifo: Segundo o jornal Valor Econômico: ” Com demanda fraca, queda da inflação depende do dólar
Janeiro é mês típico de pressão nos índices e o IPCA em doze meses até fevereiro ainda estará perto dos 10%”. Evidente que o dólar tem relação direta com os preços dos combustíveis, o que deveria ser analisado na reserva do dólar pelo BC.)

Commodities devem aliviar inflação em 2022
Um dos vilões da inflação mais alta ao redor do mundo em 2021, as commodities não devem provocar o aumento na mesma intensidade dos custos de combustíveis e de alimentação neste ano, em meio à alta de juros pelos principais bancos centrais, à desaceleração no crescimento da China e ao aumento da oferta de algumas matérias-primas, como grãos.Mas ainda há dúvidas sobre se a moderação esperada, em 2022, nos preços dos principais insumos, como petróleo, minério de ferro e soja, vai permitir mesmo um alívio maior nos índices de inflação no Brasil. O impacto foi imediato sobre os preços de energia e de alimentos. Segundo a Organização para Alimentação e Agricultura (FAO), das Nações Unidas, os preços mundiais de alimentos subiram 28% em 2021, para o maior nível em uma década e em outros países.Com a recuperação da demanda após o auge da pandemia de covid e os gargalos na cadeia mundial de produção, que levaram à escassez de muitos produtos, os preços de algumas commodities dispararam no ano passado. Muita gente chegou a falar em novo super ciclo de commodities. A dúvida sobre uma perda de fôlego na inflação de commodities paira sobre os preços do petróleo. Analistas do Bank of America, por exemplo, projetam o preço do petróleo Brent chegando a US$ 120 o barril até junho deste ano. A esse preço, o alívio é pouco. Os preços mundiais de alimentos subiram 28% em 2021, para o maior nível em uma década. (Estado)

Teto para aposentadorias e pensões do INSS vai a R$ 7.087
Contas públicas Previdência Social Pela lei em vigor, correção de benefícios leva em conta variação do INPC, que teve alta de 10,16% em 2021.O valor máximo de aposentadorias e pensões pagas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vai subir de R$ 6.433,57 para R$ 7.087,22 em 2022. (Estado)

Benefícios acima do salário mínimo terão reajuste de 10,16% neste ano
Aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) com benefícios acima do salário mínimo (de R$ 1.100 até 31 de dezembro de 2021) terão reajuste de 10,16%. (Folha)

‘Com a pandemia, nos tornamos mais cautelosos’
Médico ressalta avanços em prevenção e telemedicina: ‘Gestão, hoje, é mudança permanente’.“A gente aprende que gestão, hoje, é mudança permanente”, resume Chapchap nesta entrevista a Cenários. O que implica “montar equipes técnicas, reunir gente com diversas visões sobre os problemas, saber incorporar tecnologia, compartilhar a experiência que adquiriu, aprender com a dos outros”. E, sem tirar os olhos do real e imediato, acrescenta: “Com a pandemia, aprendemos a ser mais cautelosos, fazer prevenção primária e secundária. A segunda coisa é que as tecnologias meio, como a telemedicina, trazem avanços incríveis. (…) O SUS fez uma diferença enorme na pandemia. Essa catástrofe, mais de 630 mil brasileiros mortos, só não foi maior porque as pessoas tinham aonde ir. Em outros países, muita gente deixou o problema se agravar. (…) e o uso de plataformas tecnológicas e digitais podem fazer a diferença no tratamento das doenças. Podendo dispor de imagens e dados diagnósticos do médico, a gente pode mudar o comportamento, a atitude, e ficar mais saudável por mais tempo. (…) A gente acumula aprendizados, competências, e isso inclui compartilhar isso com outras pessoas. Encontrei agora essa oportunidade, ter essa troca de saberes é enriquecedor. Acho, então, que estou num lugar onde posso ficar o resto da minha carreira profissional, procurando ampliar o beneficio da sociedade. Eu quero continuar relevante. (Estado)

Na França, anúncio de veículos incentivará as caminhadas e o transporte alternativo
Regra entrará em vigor em março, e empresas que não respeitarem a norma poderão receber multa de até US$ 56 mil.De acordo com uma nova regulamentação prevista para entrar em vigor em março, as montadoras serão obrigadas a incluir mensagens nos anúncios de automóveis que encorajem a busca de alternativas de deslocamento sustentáveis.Segundo a regra, as fabricantes poderão escolher uma das seguintes três opções de mensagens: “Considere pegar uma carona”, “Para pequenos trajetos, opte por caminhar ou ir de bicicleta” ou “Use o transporte público nos deslocamentos do dia a dia”. No final da mensagem, os anunciantes devem incluir a hashtag #Sedéplacermoinspolluer (Movimente-se poluindo menos, em tradução livre). (Estado)
(grifo: Este tipo de Lei não atinge o seu objetivo, a caminhada tem relação com trabalho e moradia, a distância pode não atingir este princípio. A condição depende na mudança urbana e seus limites de acesso ser possível, do contrário é só logotipo. Quanto a carona para o deslocamento também influem nesta relação entre os pares do trabalho e a residência, o que pode, na sua maioria, não ter relação. É preciso estudar o comportamento do deslocamento nas cidades, para atingir ai este princípio, analisar a característica urbana, empresas, indústrias e imóveis, ao mesmo tempo, o custo de toda esta relação de vantagens ou desvantagens para a população de modo geral.)

O Estado de S. Paulo

  • Manchete: Após maior inflação em 6 anos, novo estouro da meta é previsto
  • Nova onda de covid fecha agências bancárias em vários Estados
  • Medidas deixam rombo para o consumidor
  • Nível dos reservatórios melhora, mas ainda não alivia conta de luz
  • O transtorno por trás de 600 voos cancelados
  • ‘Viveremos com inflação acima da meta e juro alto’
  • ‘Com a pandemia, nos tornamos mais cautelosos’
  • Adesão ao Simples será estendida a 31 de março
  • Como vai funcionar
  • Após veto a Refis, governo lança programas para dívidas do Simples
  • IBGE projeta alta de 9,4% para safra de grãos em 2022
  • Petrobras reajusta preços de gasolina e diesel em até 8%
  • Difusão de preços atinge recorde em dezembro
  • Reajuste para salário mínimo fica aquém do aumento da inflação
  • Teto para aposentadorias e pensões do INSS vai a R$ 7.087
  • Em carta de justificativas, chefe do BC menciona fenômeno global
  • Chuvas em Minas Gerais causam 10 mortes em um dia; total chega a 19
  • ‘Tem de testar’, diz infectologista
  • Danos na estrutura assustam motoristas em ponte da Raposo
  • Ao menos sete Estados já adotaram medidas restritivas
  • Bolsonaro: ‘Brasil não resiste a novo lockdown. Será o caos, rebelião’
  • São Paulo avalia retomar restrições a grandes eventos com aglomeração
  • Criada por brasileiros, fintech Brex recebe US$ 300 milhões
  • Tul levanta R$ 1 bilhão para apostar no Brasil
  • Dinheiro é usado por famílias na compra de comida

O Globo

  • Manchete: OMS: Ômicron deve infectar mais da metade dos europeus em 2 meses
  • App quer ser a ‘Amazon do lojista da construção’
  • Salário mínimo terá defasagem de R$ 1 neste ano
  • Ampliar Santos Dumont pode saturar vias de acesso
  • ‘Inflação tem um impacto acima do número’
  • Regra para afastamento do trabalho por Covid será revista
  • BC cita energia e efeito global para IPCA acima da meta
  • Governo cria alternativa ao Refis para MEI e Simples
  • A terceira maior subida de preços entre 20 países
  • Maior IPCA em seis anos
  • ‘Faltarão profissionais no combate à pandemia’
  • Vacina com foco na nova cepa pode estar pronta em março
  • Em SP, 84% apoiam vacinar crianças contra a Covid
  • Ômicron desfalca equipes
  • Anvisa avalia nova resolução para liberar uso de autotestes
  • Anvisa deveria autorizar o uso de autotestes para a Covid no Brasil
  • Inflação fora da meta representa risco para 2022
  • NO RIO DE JANEIRO
  • Número de desalojados pelas chuvas dobra em apenas 24 horas
  • Castro dá adicional a militares que havia vetado
  • Testes de Covid sobrecarregam laboratório estadual
  • Vacinação atrasada reflete nos hospitais

Folha de S. Paulo

  • Manchete: Inflação de 2021 fecha acima de 10%, a maior desde Dilma
  • Campos Neto diz em carta a Guedes que inflação é culpa de fenômeno global
  • Governo de MG multa Vallourec em R$ 288,6 mi
  • Portaria permite renegociar dívidas de empresa do Simples
  • Valor do aluguel cai 0,61% em 2021, aponta novo índice da FGV
  • Anatel avalia instalação de filtros anti-5G em aviões contra interferência
  • Doria se contrapõe a PT com defesa de teto e reforma trabalhista
  • Taubaté tenta diversificar economia após perder montadora
  • Saída da Ford deixa rastro de desemprego em Camaçari
  • Opinião – Mauro Rochlin: Juros altos e commodities estáveis devem reduzir inflação
  • Petrobras eleva preço do diesel em 8% e da gasolina em 4,85%
  • Teto de gastos está morto, e solução via aumento da carga tributária seria erro
  • Mínimo fica R$ 1 abaixo do necessário para repor inflação
  • Teto de para aposentadorias do INSS sobe para R$ 7.087
  • IPCA deve subir menos em 2022, mas incertezas preocupam
  • Chuvas em Minas Gerais deixam mais dez mortos em 24 horas
  • Pfizer deve ter imunizante contra a nova cepa até março
  • Ministro da Saúde diz que variante ômicron já é prevalente no Brasil
  • Reduzir isolamento de assintomático a 5 dias não tem base científica
  • Brasil tem corrida por dose de reforço após recente explosão de novos casos
  • Ocupação de UTI por Covid em SP sobe quase 70% em uma semana
  • Doria deve anunciar restrições nesta quarta

Valor Econômico

  • IPCA supera 10% e reforça quadro de juro alto em 2022
    É o nível mais alto desde os 10,67% de 2015, terceiro maior desde 2000 e muito superior à meta perseguida pelo Banco Central (BC), de 3,75%
  • Frete marítimo se mantém em nível recorde
    As rotas mais afetadas pelas altas são as de importação da Ásia e exportação para os EUA; desde janeiro de 2020, a alta acumulada é de 397%, segundo a CNI
  • Covax prevê cobertura de 40% neste ano
    Mecanismo global para distribuição equitativa de vacinas contra a covid-19 já tem 1,6 bilhão de doses alocadas para países em desenvolvimento
  • Escassez de testes ameaça Brasil
    A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica recomendou a seus associados que, nos próximos 15 dias, deem preferência a casos graves e pacientes hospitalizados
  • Servidores do BC ameaçam greve em fevereiro por reajuste salarial
    Sem avanço nas negociações, categoria acena com paralisação “por tempo indeterminado”
  • Empresas do Simples e MEI têm alternativa para dívida
    Ministério da Economia apresentou duas opções para que os débitos sejam quitados
  • Com aumentos generalizados, IPCA fecha ano em 10,06%
    Inflação é a maior desde 2015; taxa foi de 0,73% em dezembro
  • IPCA deve perder força com atividade fraca, mas vai seguir acima da meta
    Resultado de dezembro incentiva revisão das projeções de taxa de juros
  • “Inflação alta e desemprego aumentam mal-estar social”
    Para economista André Braz, resultado do IPCA no ano coloca Banco Central em situação desconfortável
  • Combustível volta a subir e alta do diesel chega a 8%
    Petrobras faz reajuste de 4,85% para gasolina nas refinarias
  • Salário mínimo teria de ser R$ 1 maior
    Com INPC de 10,16%, valor seria de R$ 1.213, segundo cálculos de diretor da IFI
  • Preço da construção acelera para maior alta desde 2013
    Material foi maior responsável pela inflação de 18,65% no ano passado, aponta IBGE
  • Tabela do IR soma defasagem de 135%
    Cálculo é da Associação Nacional dos Auditores da Receita Federal do Brasil (Unafisco)
  • Fiocruz está perto de autossuficiência da vacina de covid-19
    Fundação começa a entregar em fevereiro imunizantes produzidos com 100% de IFA nacional
  • Sistemas do SUS já operam normalmente, diz secretário
    Atualização de dados da vacinação em SP e de testes de farmácia ainda era única problema pendente ontem, segundo Ministério da Saúde
  • Ômicron já é variante que predomina no país, afirma ministro da Saúde
    Segundo ministro, expectativa do governo é que o número de óbitos pela covid-19 se mantenha baixo
  • Renda básica tem impacto sobre atuação de eleitores
    Pesquisa mostra que programa social em Maricá contribuiu para aumento no comparecimento eleitoral
  • Alta de lockdowns fecha portos e empresas na China
    Empresas como Samsung Electronics, Volkswagen e uma fornecedora da Nike e da Adidas já sentem os efeitos dos lockdowns na produção
  • Recuperação mais lenta de emergentes agravará desigualdade global
    Em novas projeções divulgadas ontem, a instituição disse prever que a economia mundial terá duas velocidades de recuperação em 2022, o que ampliará a desigualdade
  • Inflação nos países ricos atinge maior nível em 25 anos
    OCDE registrou grande variação entre os países e, enquanto os EUA chegaram a 6,8%, a alta no Japão foi de 0,6%
  • Argentina tem recorde de casos, onda de calor e apagão
    A situação climática e de saúde tendem a piorar nos próximos dias, com o serviço meteorológico do país prevendo aumento das termperaturas nos próximos dias, enquanto a ômicron continua a se espalhar em ritmo acelerado
  • Com demanda fraca, queda da inflação depende do dólar
    Janeiro é mês típico de pressão nos índices e o IPCA em doze meses até fevereiro ainda estará perto dos 10%
  • Uma oportunidade de acesso não discriminatório à internet
    É preciso novas regras para prevenir o tratamento desigual e assegurar o acesso não discriminatório às plataformas digitais
  • Vacinação continua desigual no mundo, o que é “perigoso”
    José Manuel Durão Barroso diz que países e empresas retardaram distribuição melhor das vacinas e alerta que ninguém estará seguro até a pandemia esteja controlada em todo o mundo
  • Laboratórios enxergam risco de desabastecimento de testes de covid
    Nas companhias de medicina diagnóstica, a orientação é administrar os estoques
  • Farmácia bate recorde de vendas em janeiro
    Entre 3 e 9 de janeiro, foram computadas vendas de 438 mil testes, segundo dados da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), considerando dados coletados em 3 mil farmácias no país
  • Frete se aproxima de pico, mas pandemia gera incerteza
    Rotas China-Brasil e Brasil-EUA seguem com preço recorde e não há previsão de queda no curto prazo
  • Paralisação de minas puxa preço do minério de ferro e papéis de mineradoras
    Commodity apresenta alta de 3,2% no mercado spot e foi negociada a US$ 129,17 a tonelada
  • Após crescer 6,6%, setor de cimento vê cenário difícil
    Com ambiente macroeconômico deteriorado e eleições “muito aguerridas”, projeção de vendas para 2022 é de estagnação a alta de 0,5%
  • Seca faz Conab reduzir projeção de colheita
    Estatal cortou previsão para o ciclo em quase 7 milhões de toneladas, mas ainda espera recorde
  • Cotações do feijão com sinais de alta
    No atacado paulista, preços no início deste ano subiram quase 20% em relação a dezembro
  • ‘Inflação importada’ pesou no estouro da meta, diz Campos
    Presidente do BC vê ‘fenômeno global’ na alta de preços, mas diz que fator fiscal pesou no câmbio
  • Clima domina lista de maiores riscos globais
    Relatório do Fórum Econômico Mundial mostra que fracasso em lidar com mudanças climáticas é principal ameaça para humanidade; no Brasil, porém, preocupação aparece apenas em quarto lugar
  • FMI alerta para risco em maior correlação entre criptomoeda e ações
    A consequência disso é que o bitcoin já se comporta como um ativo de risco mais tradicional

Manchete nos Jornais desta Terça-feira, 11 de Janeiro de 2022

Desembargadores recebem mais de dez vezes o teto do funcionalismo
Em 2021, subsídios superaram mais de 10 vezes o teto de R$ 39,3 mil. em agosto, um desembargador recebeu R$563,6 mil. Desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais receberam, ao longo de 2021, subsídios que ultrapassam em mais de dez vezes o teto remuneratório do funcionalismo público, de R$ 39,3 mil. Os vencimentos brutos dos 260 magistrados, incluindo desembargadores da ativa (140), aposentados e convocados para atuar temporariamente na Corte, custaram R$ 252,5 milhões entre janeiro e novembro – os valores de dezembro ainda não estão disponíveis no Portal da Transparência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
O TJ de Minas Gerais é o segundo maior do País, com 27.334 servidores. Fica atrás apenas de São Paulo, conforme dados do CNJ. (Estado)

Abono salarial do PIS/Pasep será pago para 23 milhões em 2022
Um total de 23 milhões de brasileiros receberão o abono salarial do PIS/Pasep 2022 em fevereiro e março, informou o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni. (Folha)

Onda de calor pode levar a temperatura recorde no RS
Oeste gaúcho tem previsão de chegar a 45ºC até sábado; calor será incomum.Uma onda de calor pode fazer cidades do Rio Grande do Sul registrarem temperaturas recordes a partir desta terça-feira (11). De acordo com o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), órgão vinculado ao Ministério da Agricultura, termômetros podem marcar até 45ºC no oeste do estado entre sexta-feira (14) e sábado (15).A MetSul, empresa de meteorologia gaúcha, classificou a onda de calor como brutal, incomum e excepcional. Segundoa companhia, o fenômeno também vai afetar o clima de Argentina, Uruguai e Paraguai, trazendo riscos à população.Estael Sias, meteorologista e sócia da MetSul, afirma que a onda de calor é consequência de uma estiagem severa no sul do Brasil (especialmente o Rio Grande do Sul), no Uruguai e na Argentina. A seca, por sua vez, é resultado do fenômeno La Niña, que consiste no resfriamento das águas do oceano Pacífico. (Folha)

Enchentes e risco de acidentes em barragens assombram MG
Após os desastres de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019, cidades mineiras estão em alerta permanente. Deslizamentos de terra também provocam mortes. Cinco pessoas da mesma família foram encontradas mortas, após o carro em que viajavam ser soterrado em Brumadinho. Com medo de rompimento de barragens, moradores dizem não conseguir dormir. Alertas tomam conta das redes sociais.Cidades de Goiás, Espírito Santo e Rio de Janeiro também sofrem com as chuvas que não cessam. No Sul do País é esperada uma onda de calor.As chuvas que atingem Minas Gerais colocaram novamente a população sob a sombra do rompimento de barragens, após os desastres de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, há três anos. Deslizamentos e enchentes também assustam. Cinco pessoas da mesma família – três adultos e duas crianças – foram encontradas mortas, após o carro em que estavam ser soterrado. Com medo, moradores dizem não conseguir dormir, enquanto alertas tomam conta das redes sociais. (Estado)

Bolsonaro defende derrubada de seu próprio veto do Refis
Presidente também diz que editará portaria em benefício de pequenos e microempresários. Depois, ele disse ainda que o governo deve editar uma portaria para atender 75% dos pequenos e microempresários que eram contemplados no projeto de lei vetado por ele na semana passada. O presidente não deu detalhes do conteúdo da portaria. Nos bastidores, técnicos do Planalto e da Economia afirmam desconhecer ato administrativo sobre o tema que já tenha sido concluído e esteja pronto para publicação.Oficialmente, a Economia não informa qual será a solução para o impasse.O chefe do Executivo já havia sinalizado, mais cedo, ser favorável à derrubada pelo Congresso do veto. “Fui obrigado a vetar a renegociação das dívidas das pequenas e microempresas. Isso logicamente teve um estresse entre eu e a equipe econômica, no bom sentido”, disse Bolsonaro.Na avaliação de auxiliares do presidente, caso algum ato saia mesmo pela pasta de Guedes, seria uma forma de constranger o ministro, que deixou Bolsonaro em uma saia justa ao pedir o veto.A ideia de prorrogar o prazo para as empresas regularizarem seus débitos com o governo vem sendo discutida nos bastidores e daria tempo às companhias até que o Congresso derrube o veto ao Refis.Hoje, a data-limite para ficar em dia com o fisco é 31 de janeiro, idêntico ao prazo para as empresas optarem pelo regime simplificado. (Folha)

Ainda sem solução para o Refis, governo deve prorrogar Simples
Adesão ao programa deve ser estendida até abril, para dar mais tempo à busca de saída para socorrer pequenos negócios. O governo deve avalizar a prorrogação até abril para adesão ao Simples como solução temporária enquanto o Congresso não derruba o veto do presidente Jair Bolsonaro ao Refis. (Estado)

Revogar reforma traz de volta imposto sindical
Acampanha Lula 22 propôs a revogação da reforma trabalhista: um dos efeitos imediatos da revogação seria o retorno do “imposto sindical”. A contribuição sindical – seu nome formal – era obrigatória até 2017.A partir do momento que os pagamentos aos sindicatos passaram a ser facultativos, a arrecadação despencou. Com o retorno do imposto sindical, trabalhadores pagarão algo como R$ 3 bilhões por ano para os sindicatos. Certamente uma proposta impopular, que abre um flanco a ser explorado por adversários e revela certo oba-oba.O modelo sindical antigo adotado no Brasil era incomum, e segue incomum. (Estado)

Covid e influenza cancelam voos por falta de trabalhadores
Cerca de 500 voos da Azul e da Latam já foram afetados. Segmentos como o de hotéis também sentem a falta de mão de obra.Mais de 500 voos foram cancelados após o aumento de casos de covid-19 e de influenza, tanto entre pilotos e tripulantes de aeronaves quanto no País como um todo. Voos da Azul e da Latam foram os mais afetados. A Gol disse não ter reportado cancelamentos.No domingo, a Latam informou o cancelamento de 47 voos. Ontem, a companhia confirmou mais 53 voos cancelados. Nos próximos dias, outros 62 voos serão cancelados, totalizando 162 trechos.Na Azul, funcionários receberam um e-mail do presidente, John Rodgerson, na semana passada, alertando para o “alto número de dispensas médicas” na companhia. Com 5% dos voos afetados na quinta-feira passada e 10% a partir de sexta, 387 voos da companhia foram cancelados até o momento, elevando o total no País para 547 (considerados os dados da Latam).O Procon-sp notificou ontem Azul e Latam, pedindo explicações sobre os cancelamentos dos últimos dias. “As empresas deverão informar até a próxima quarta-feira (amanhã) quantos voos foram cancelados, quantos passageiros foram afetados, a previsão para os próximos 15 dias e qual o plano de contingência para minimizar os danos sofridos pelos consumidores”, disse a entidade de defesa do consumidor. (Estado)

O Estado de S. Paulo

  • Manchete: Saúde reduz à metade período de quarentena de infectados
  • A voz de quem decide o futuro das grandes empresas do segmento
  • ‘O transportador quer caminhões sem motorista’
  • Lojistas de shoppings são contra reduzir os horários por nova onda
  • Covid e influenza cancelam centenas de voos e afetam outros setores
  • Petrobras recebe 212 mil inscrições para 757 vagas
  • Locadoras investem para ampliar oferta de caminhões elétricos
  • Governo tenta atrair investidor de fora para leilão de estradas federais
  • Fecomercio-SP propõe regras para Pix mais seguro
  • Bolsonaro sanciona com vetos projeto de lei BR do Mar
  • ‘O resultado fiscal superou previsões mais otimistas’
  • Ainda sem solução para o Refis, governo deve prorrogar Simples
  • Guedes ‘veta’ reajuste e servidor reage
  • Governos do Ocidente fecham cerco aos que rejeitam vacinação
  • Ministério pedirá à Anvisa análise sobre uso de autoteste
  • Pfizer vai antecipar 600 mil doses infantis para vacinação neste mês
  • Todas as vítimas da tragédia já foram identificadas
  • Turismo e comércio de Capitólio sentem os efeitos do acidente
  • Temporais fazem mineradoras pararem produção
  • Quatro Estados recebem alerta vermelho para risco de temporais
  • Temporais e risco de rompimento de reservatórios criam medo em Minas

O Globo

  • Manchete: Disparada de Covid afeta voos, comércio, serviços indústria
  • Pix bate novo recorde de transações em um único dia: 52,4 milhões
  • Voo aeromédico em alta
  • Impacto do aumento de casos já afeta a indústria
  • Turismo soma perdas com cancelamento do carnaval de rua
  • Chuva faz Vale suspender produção e paralisar trens
  • Dívida alta emperra expansão do PIB, alertam ex-auxiliares de Guedes
  • BC publica 6§ carta para explicar inflação acima do teto da meta
  • Refis: Bolsonaro diz ter certeza que seu veto será derrubado
  • ‘Próximos dias não serão fáceis, devemos estar alertas’
  • Ômicron: mais transmissível até 6 dias após sintomas
  • Novas regras
  • Ministério da Saúde vai pedir liberação dos autotestes

Folha de S. Paulo

  • Manchete: Chuvas castigam estradas, barragens e cidades em MG
  • Novo golpe usa QR Code do Pix em boleto falso
  • Volume de dinheiro em circulação cai pela 1ª vez desde o Real
  • Bolsonaro sanciona texto da BR do Mar
  • Flávio contraria aliados e defende concessão do Santos Dumont
  • Bolsas estendem perdas sob temor de juros nos EUA e Covid
  • Cancelamento de voos pode durar até o fim de fevereiro
  • Lula participa de reunião para discutir revisão da reforma trabalhista
  • E preciso uma nova âncora de expectativa que passe na Faria Lima e nas ruas
  • Chuvas paralisam operação de mineradoras
  • Abono salarial do PIS/Pasep será pago para 23 milhões em 2022
  • Teto de gastos completa cinco anos sob ataque eleitoral por mudanças
  • Vetos em ano eleitoral expõem embates entre Planalto e Economia
  • Presidente admite que reformas não devem andar em 2022
  • Bolsonaro defende derrubar próprio veto ao Refis para MEIs e Simples
  • Gestão Biden destaca ao Brasil necessidade de ‘resposta forte’ contra Moscou
  • Onda de calor pode levar a temperatura recorde no RS
  • Chuva em Minas Gerais tende a diminuir a partir desta quinta
  • ‘Flurona’ pode causar quadros respiratórios mais graves? Entenda
  • SP diz que pode vacinar grupo de 3 a 11 anos em 10 dias
  • Ministério anuncia mais 600 mil doses pediátricas da Pfizer
  • Bolsonaro se diz surpreso com carta agressiva’ de Torres
  • Saúde reduz de 10 para 5 dias quarentena de assintomáticos

Valor Econômico

  • Demanda por energia limpa atrai investidores ao Brasil
    Os negócios em 2021 movimentaram R$ 16 bilhões, segundo levantamento do do Itaú BBA, e a estimativa é de mais R$ 20 bilhões em 2022
  • Torós: inflação e incertezas dão o tom de 2022
    Entrevistado na primeira Live do Valor do ano, economista chama atenção para a volta em escala global da inflação, com a qual “o mundo já não estava mais acostumado”
  • Preocupação com o Fed afeta os mercados
    O Ibovespa caiu 0,75%, aos 101.945,20 pontos, e o dólar voltou a operar perto de R$ 5,70; os juros futuros também subiram
  • Cadeias logísticas seguem sob pressão
    No Porto de Los Angeles, porta de entrada para as importações da China aos EUA, ainda há empresas descarregando fantasias de Halloween — cerca de 90% do comércio global se dá pelo mar
  • Europa fala em endemia e alivia protocolos
    Depois de “lockdowns” severos nas primeiras fases da pandemia, governos europeus consideram maior imunização e menor letalidade da variante ômicron para manter a economia ativa
  • Reservatórios melhoram, mas precisam de mais chuva
    Expectativa é que, independentemente da recuperação dos volumes de água no sistema, tarifas de energia se mantenham pressionadas
  • Abono salarial deve ir todo para consumo, diz presidente da Caixa
    Pagamento pelo banco do benefício referente a 2020 começa no mês que vem
  • Ministério relaxa regras de isolamento para casos leves ou moderados de covid
    Com mudança, tempo mínimo, antes de dez dias, pode ser cortado até pela metade
  • Média de novos casos segue em crescimento
    Aumento dos contágios por covid-19 no país é de 617% na semana móvel
  • Doença deve ser tratada como endêmica, diz premiê
    Pedro Sánchez, da Espanha, defende que as autoridades europeias considerem abandonar o monitoramento exaustivo que a pandemia exigiu até agora e passar para um acompanhamento mais próximo ao da gripe
  • Clima piora e põe em dúvida resultados da agropecuária
    Pode não vir da agropecuária o esperado alívio na inflação